PPGPAT - Dissertações

Navegar

Submissões Recentes

Agora exibindo 1 - 20 de 168
  • Item
    Morbimortalidade Durante a Internação de Pós- Operatório Imediato do Transplante Renal
    (2023-03-31) Dal Magro, Priscila Sartoretto; Keitel, Elizete; Programa de Pós-Graduação em Patologia
    Introdução: O transplante renal (TR) tem eficácia e menor custo no tratamento da doença renal terminal. É realizado em pacientes com múltiplas comorbidades, sendo o período perioperatório desafiador. Objetivos: Avaliar a morbimortalidade do pós-operatório imediato do transplante renal em um hospital terciário; avaliar se o Índice de Comorbidades de Charlson (CCI) foi associado a complicações graves pela classificação de Clavien - Dindo. Métodos: Estudo de coorte prospectivo em uma amostra de 230 pacientes adultos que realizaram TR entre setembro de 2020 e março de 2022. Resultados: Dos 230 pacientes,135 eram homens, a média de idade foi 49.212.7 anos, apresentavam sobrepeso 38.3%; obesidade 20.4%; e 96.52% dos transplantes foram de doador falecido; intercorrências no transoperatório ocorreram em 10.9% dos pacientes, a mais frequente foi sangramento com necessidade de hemocomponentes. Dificuldade de via aérea foi a intercorrência anestésica mais comum; dos 11 pacientes com dificuldade de via aérea, 7 tinham sobrepeso e 4 eram obesos (p=0.020); a complicação clínica mais frequente no pós-operatório foi a necessidade de hemodiálise (57.8%), seguida por infecção (21.7%); onze (4.7%) pacientes do estudo tiveram infecção viral por COVID -19 nos 30 dias de acompanhamento; complicações vasculares ocorreram em 11.3%, sendo o hematoma a mais frequente; ocorreram 6 complicações urológicas (3.5%), e a mais comum foi fístula urinária; a reintervenção cirúrgica ocorreu em 12.6% dos pacientes; a taxa de óbito em 30 dias foi de 1.7%; o tempo mediano de internação foi de 16.3±7.8 dias; o CCI não foi associado a complicações graves, somente à presença de insuficiência cardíaca no pré-operatório. Conclusão: As complicações anestésicas foram baixas, o sangramento no transoperatório e dificuldade de via aérea foram as mais frequentes; o retardo do funcionamento do enxerto foi elevado, seguido pela infecção bacteriana; as complicações cirúrgicas mais comuns foram vasculares; o CCI não mostrou associação as complicações graves
  • Item
    Tomografia Computadorizada no diagnóstico de comorbidades relacionadas ao tabagismo em estudos de rastreamento de câncer de pulmão no Brasil
    (2023-01-09) Mattos, Juliane Nascimento de; Hochhegge, Bruno; Programa de Pós-Graduação em Patologia
    Introdução: O rastreamento de câncer de pulmão, por meio de tomografia computadorizada de tórax (TC) é essencial para o diagnóstico precoce do câncer de pulmão e de outras comorbidades relacionadas ao tabagismo. No entanto, as comorbidades não são identificadas de forma correta durante os estudos de rastreamento (pouco realizados em países em desenvolvimento). Nesse sentido, identificar essas comorbidades durante esses estudos em países em desenvolvimento é essencial. Objetivos: Avaliar e quantificar a prevalência de seis comorbidades relacionadas ao tabagismo (sarcopenia, calcificação da artéria coronária (CAC), enfisema pulmonar, anormalidade intersticial e esteatose hepática). Material e Métodos: Nesse estudo retrospectivo, foram avaliadas TC de baixa dose (n=775) de pacientes submetidos ao rastreamento de câncer de pulmão em um hospital terciário entre os anos de 2016 e 2020. Um grupo controle pareado por idade e sexo foi obtido para comparação (n=370). Foram analisados de forma quantitativa através de um software, a presença das seis comorbidades. O teste t e o teste Qui-quadrado foram usados para avaliar as diferenças entre esses valores. Coeficientes de correlação interclasse (ICCs) e concordância do inter-observador também foram calculados. p <0,05 foram considerados significativos. Resultados: Uma ou mais comorbidades foram identificadas em 86,6% dos pacientes e em 40% dos controles. A osteoporose esteve presente em 44,2% dos pacientes e em 24,8% dos controles. Novos diagnósticos de doenças cardiovasculares, enfisema e osteoporose foram realizados. O coeficiente kappa para calcificação da artéria coronária foi de 0,906 (p<0,001). ICCs para medidas de fígado, baço e densidade óssea foram 0,88, 0,93 e 0,96, respectivamente (p<0,001). Conclusão: Os dados adquiridos durante o estudo de rastreamento de câncer de pulmão utilizando a TC de baixa dose, identificaram as seis comorbidades tabaco-relacionadas. Nesse sentido, a TC em estudos de rastreamento, facilita o diagnóstico de comorbidades em países em desenvolvimento, fornecendo oportunidades para sua prevenção e tratamento
  • Item
    Câncer de pele após transplante cardíaco: uma revisão sistemática
    (2023-07-06) Aguzzoli, Nathalia Hoffmann Guarda; Bonamigo, Renan Rangel; Programa de Pós-Graduação em Patologia
    Introdução: Um amplo espectro de doenças cutâneas afeta os pacientes receptores de transplantes de órgãos sólidos, visto que os mesmos necessitam de terapia imunossupressora de longo prazo para prevenir a rejeição do órgão transplantado. Dentre as complicações cutâneas mais prevalentes no seguimento clínico desses pacientes, encontra-se o câncer de pele. Objetivos: Verificar a frequência de câncer de pele em pacientes transplantados cardíacos a partir de dados da literatura. Através de uma revisão de literatura, avaliar a frequência de câncer de pele não melanoma, melanoma e sarcoma de Kaposi em pacientes transplantados cardíacos. Como objetivos secundários, avaliar possíveis fatores clínicos e medicamentosos associados ao câncer de pele em pacientes transplantados cardíacos. Avaliar a qualidade dos artigos e a metodologia utilizada nos trabalhos existentes na literatura. Organizar os dados encontrados com base na literatura a fim de oferecer estratégias e equidade em cuidados dermatológicos para essa população específica de pacientes. Material e Métodos: realizada revisão sistemática da literatura, a busca compreensiva da literatura foi efetuada utilizando as plataformas do PubMed, EMBASE e Scopus. Resultados: Um total de 2589 artigos foram inicialmente encontrados na literatura. Realizados uma primeira seleção lendo os títulos dos artigos e em seguida a segunda seleção, lendo títulos e resumos, após essas duas etapas, 2123 artigos foram excluídos. Identificamos 175 artigos repetidos. Ao final, 291 artigos foram lidos na íntegra e de acordo com os critérios de inclusão e exclusão, 43 artigos foram incluídos nessa revisão sistemática. Conclusão: Pacientes transplantados cardíacos apresentam alta frequência de câncer de pele e que chegamos no momento de analisar exclusivamente a população de transplantados cardíacos, especificamente focando no desfecho câncer de pele. Mais estudos são necessários para entender a complexidade da terapia imunossupressora específica desses pacientes e a interação com os fatores de risco individuais para o desenvolvimento de câncer de pele. Este estudo reforça que os dermatologistas desempenham um importante papel no seguimento a curto e longo prazo dos pacientes transplantados cardíacos. Essa população de pacientes merece cuidados contínuos do médico dermatologista, visto que essa prática clínica multidisciplinar pode alterar a morbimortalidade e a qualidade de vida após o transplante cardíaco. Assim, a atuação conjunta entre os cardiologistas especialistas em transplante cardíaco e os dermatologistas é uma ação crucial e essencial no atendimento a essa população
  • Item
    Suscetibilidade à neuropatia periférica por Talidomida: avaliação da prevalência de polimorfismos entre variantes genéticas SERPINB2 e PKNOX1 em pacientes com Eritema Nodoso Hansênico
    (2024-01-29) Perazzoli , Simone; Bonamigo, Renan Rangel; Vianna, Fernanda Sales Luiz; Programa de Pós-Graduação em Patologia
    Introdução: O Eritema Nodoso Hansênico (ENH) é uma resposta imune humoral ao Mycobacterium leprae, e caracteriza-se por nódulos eritematosos associados ou não a sintomas sistêmicos. O principal medicamento utilizado, no Brasil, para tratar o ENH é a talidomida, no entanto a medicação possui efeitos adversos importantes, como neuropatia periférica (NP). É escasso o conhecimento quanto ao perfil do paciente com hanseníase de maior risco para desenvolver NP por talidomida, sendo possível a influência de fatores clínicos e genéticos. Variantes genéticas dos genes SERPINB2 e PKNOX1 já foram implicadas com a predisposição para desenvolvimento de NP por talidomida em outros contextos clínicos, como mieloma múltiplo, quimioterapia por taxanos e doença inflamatória intestinal pediátrica. Objetivos: Avaliar a prevalência de polimorfismos entre variantes genéticas SERPINB2 e PKNOX1 em pacientes com ENH. Material e Métodos: Estudo transversal incluindo pacientes com diagnóstico de ENH. Foram avaliadas as variantes genéticas SERPINB2 e PKNOX1, variáveis clínicas relacionadas à doença e a ocorrência de NP em usuários de talidomida com os polimorfismos genéticos. Resultados: Foram avaliados 47 pacientes; o polimorfismo rs6103 SERPINB2 teve uma frequência de 66% do alelo C e 34% o alelo G; o polimorfismo rs2839629 do PKNOX1 apresentou uma frequência de 75% para o alelo A e 25% para o alelo G. Os que apresentaram neuropatia tiveram maior frequência dos genótipos homozigoto e heterozigoto C (85% e 77,3% respectivamente) para o polimorfismo rs6103 (SERPINB2) e dos genótipos homo e heterozigoto A (84% e 80%, respectivamente) para o polimorfismo rs2839629 (PKNOX1). Essas diferenças não foram estatisticamente significativas. Conclusão: De acordo com o presente estudo, muitos pacientes com ENH possuem polimorfismos que podem aumentar a suscetibilidade à NP relacionada à talidomida. É provável que fatores genéticos sejam importantes no desenvolvimento desta complicação em pacientes portadores de hanseníase
  • Item
    Impactos da pandemia de COVID-19 no Estadiamento Clínico e na vivência de mulheres com Câncer de Mama
    (2023-05-12) Fritsch, Thais Zilles; Bica, Claudia Giuliano; Alves, Rafael José Vargas; Programa de Pós-Graduação em Patologia
    Introdução: Um grande impacto na saúde pública foi evidenciado pela diminuição na procura por mamografias de rastreamento, com consequente efeito no diagnóstico precoce do câncer de mama logo nos primeiros meses de pandemia. Objetivo: Analisar o impacto da pandemia de COVID-19 no diagnóstico clínico de mulheres com câncer de mama e explorar o enfrentamento do câncer. Material e Métodos: Trata-se de um estudo misto retrospectivo transversal e exploratório com análise de conteúdo realizado em duas etapas no Hospital Santa Rita de Porto Alegre. A primeira realizada com banco de dados de procedimentos cirúrgicos da mama no período de janeiro de 2019 a dezembro de 2020. Em seguida, realizou-se entrevistas com 10 pacientes diagnosticadas em 2020 com estadiamento clínico avançado. Resultados: Foram avaliados 1.733 procedimentos entre os anos de 2019 e 2020. Dentre esses, 491 (49,2%) diagnosticaram câncer de mama em 2019 e 335 (45,5%) em 2020. Quando comparamos os anos de 2019 e 2020 não encontramos diferença significativa no estadiamento clínico ou no fenótipo tumoral. No entanto, observamos diferença na frequência de Histologias Lobulares, Grau histológico 2 e da neoadjuvancia como escolha de primeiro tratamento para o ano pandêmico. Das 52 mulheres elegíveis para as entrevistas, 10 foram entrevistadas, as quais relataram desafios e mudanças nas rotinas e fluxos hospitalares desde o diagnóstico até o tratamento. A principal preocupação permeou o medo da morte pela infecção de COVID-19, e deste modo, os cuidados durante o tratamento foram ainda mais intensificados. Conclusão: Na comparação pré e pandemia não evidenciamos diferença significativa no estadiamento clínico. Apesar da instabilidade mundial gerada pela pandemia, as mulheres sobreviveram e enfrentaram o câncer respeitando e se adequando em cada processo, sem serem infectadas pelo vírus. Mostrando, assim, o sucesso da equipe na prevenção de riscos e do esforço das pacientes e de seus familiares na manutenção da saúde mesmo em momentos de desafios para que o atendimento a paciente com câncer de mama seja mais efetivo.
  • Item
    Avaliação de Marcadores de Prognóstico no Melanoma
    (2022) Azevedo, Munique Mendonça; Bica, Claudia Giuliano
    Introdução: O melanoma é altamente metastático, representando a causa mais comum de morte por câncer de pele em escala global. Sua classificação e prognostico são definidos pelo sistema de estadiamento da AJCC, o qual não é suficiente para acessar o risco de mortalidade para cada paciente individualmente devido ao caráter heterogêneo da doença, o que garante a busca por novos biomarcadores. Objetivos: Avaliar o estado-da-arte no que diz respeito à biomarcadores de prognóstico no melanoma, bem como analisar a associação entre a neoplasia e os seguintes marcadores: DNA livre circulante (cfDNA), citocinas inflamatórias e polimorfismo Ala16Val do gene SOD2 que codifica a enzima antioxidante superóxido dismutase dependente de manganês (MnSOD). Material e Métodos: Primeiramente, foi realizada uma revisão sistemática da literatura no que se refere a marcadores genéticos e epigenéticos com valor prognóstico no melanoma. Também, foram realizados dois estudos caso-controle onde foram incluídos pacientes com melanoma do Hospital Santa Rita e indivíduos saudáveis. No primeiro, foi realizada a quantificação dos níveis de cfDNA no plasma de casos e controles por meio do Kit Quant-iTTM PicoGreen® dsDNA (Invitrogen) e posterior leitura da fluorescência em fluorômetro. Para avaliar o status inflamatório dos indivíduos, a concentração de citocinas inflamatórias (IL-1, IL-6, TNFα, INFy and IL-10) foi medida. No segundo estudo, foi avaliada a associação entre o melanoma e o polimorfismo Ala16Val do gene SOD2 através da genotipagem de pacientes com melanoma e indivíduos saudáveis. Para tanto, um fragmento do gene SOD2 contendo a região do polimorfismo foi amplificado com primers específicos seguido de clivagem com a enzima de restrição Hae III. Resultados: No artigo científico I, o texto completo de 25 artigos foi avaliado. A análise do perfil de microRNA e a expressão de mRNA associada ao status mutacional dos genes BRAF e NRAS foram as abordagens mais frequentes. No artigo II, níveis elevados de cfDNA e citocinas pró-inflamatórias foram observados nos pacientes com melanoma quando comparados aos controles. Por outro lado, os casos apresentaram níveis reduzidos da citocina anti-inflamatória interleucina 10 em relação aos indivíduos saudáveis. Após a excisão do tumor primário, houve redução significativa da concentração de cfDNA no sangue dos pacientes. Quanto ao artigo III, foi reportada a associação entre o polimorfismo da MnSOD e o risco de melanoma, a qual é influenciada por sexo e idade. Conclusão: Apesar de muito conhecimento ter sido acumulado no que se refere aos marcadores no melanoma, nenhum se mostrou eficiente para detectar o potencial de progressão da doença ainda em seus estágios iniciais. A implementação de biomarcadores sanguíneos pouco invasivos durante o acompanhamento clínico para identificar pacientes em alto risco de metástases é fundamental para melhorar o desfecho dos pacientes com melanoma.
  • Item
    Avaliação das Margens Cirúrgicas no Carcinoma Ductal in situ da Mama e o Prognóstico das Pacientes após Tratamento Cirúrgico
    (2016) Schwengber, Indira Dini; Zettler, Cláudio Galleano; Paganini, Cassio Fernando
    Introdução: O carcinoma ductal in situ (CDIS) é uma forma não-invasiva de câncer de mama, representando cerca de 20% das neoplasias diagnosticadas através do rastreamento mamográfico e sua incidência vem aumentando. Mas o tratamento cirúrgico e pós-cirúrgico desta patologia ainda é um assunto em discussão. Objetivos: Determinar a relação entre a extensão das margens cirúrgicas, as características biológicas e as taxas de recorrência local (RL) do CDIS após cirurgia mamária. Material e Métodos: Foi realizada uma coorte retrospectiva a partir da análise dos prontuários das pacientes com diagnóstico de CDIS, que foram submetidas à cirurgia conservadora da mama ou mastectomia, no período de 2000 a 2013, tratadas em um centro de mastologia no sul do Brasil. Critério de inclusão: pacientes com diagnóstico de carcinoma ductal in situ puro. Critério de exclusão: pacientes com CDIS associado à componente invasor e àquelas com dados incompletos no prontuário. Resultados: Das 80 pacientes selecionadas, 21 tinham dados incompletos nos prontuários, restando 59 pacientes para o estudo. A mediana de idade foi de 51 anos (variando entre 34 e 83 anos). A incidência de recidiva local após tratamento de CDIS foi de 6,8%. Não houve associação estatisticamente significativa entre a margem cirúrgica final e a ocorrência de recidiva (p = 0,357). Conclusão: No nosso serviço, a incidência de recidiva local após tratamento de CDIS foi de 6,8%, dado maior do que os 3% descritos na literatura. Isso nos estimula a estudar mais e pesquisar novas maneiras de melhorar o tratamento dessa doença para que os riscos de recidiva sejam mínimos. O CDIS não representa um risco de vida, pois é uma doença local sem envolvimento regional. No entanto, sendo um precursor imediato do câncer de mama invasor, seu diagnóstico e tratamento necessitam uma abordagem adequada e multidisciplinar, já que a recorrência pode ser como um carcinoma invasor.
  • Item
    Alterações cutâneas gestacionais e os seus fatores de risco: estudo transversal com pacientes puérperas
    (2017) Hoefel, Isadora da Rosa; Bonamigo, Renan Rangel; Weber, Magda Blessmann
    Introdução: A gravidez é um fenômeno que influencia, virtualmente, todos os sistemas maternos, provocando alterações hormonais, metabólicas, imunológicas e vasculares. A pele é um órgão muito acometido por tais modificações e, atualmente, existem poucos estudos sobre alterações cutâneas durante a gestação em nosso meio. Objetivos: determinar a prevalência de alterações cutâneas durante a gestação e correlacionar essas alterações com variáveis específicas. Material e Métodos: foi realizado um estudo transversal com 1284 puérperas. Através de um questionário foram coletados dados relativos `as alterações cutâneas durante a gestação de pacientes internadas na maternidade da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre, nos períodos entre maio a agosto de 2013, e junho a setembro de 2016. Resultados: O surgimento ou piora de estrias foi relatado por 49,5% (n=633) das pacientes, e teve associação estatisticamente significativa com a primiparidade, a presença de estrias prévias `a gestação e o ganho de peso superior a 21kg. Manchas faciais foram referidas por 33,9 % (n=434) e associou-se com a história familiar de manchas no rosto (p<0.001), a multiparidade (p<0.001) e o uso de fotoprotetor diário (p<0.001). A ocorrência ou piora de acne durante a gestação foi descrita por 35,7% (n=456) das pacientes e foi associada à primiparidade (p<0.001) e aos fototipos de Fitzpatrick IV e V. Alterações capilares ocorreram em 44,5% (n=569) e também associaram-se com a primiparidade (p=0,029). Conclusão: Alterações cutâneas são muito prevalentes durante a gestação. Embora muitas sejam consideradas fisiológicas e comuns, podem gerar grande desconforto `as pacientes. Assim, é importante conhecer essas modificações e entender possíveis fatores de risco associados. Entre os principais, a primiparidade parece ser o mais importante dos fatores de risco para o desenvolvimento de alterações cutâneas durante e gestação, com exceção das manchas faciais.
  • Item
    Resposta Patológica Completa e Razão Neutrófilo-Linfócito em câncer de mama: uma análise retrospectiva no cenário neoadjuvante
    (2023-09-21) Bonetti, Giovana Diniz de Oliveira; Bica, Claudia Giuliano; Alves, Rafael José Vargas
    Introdução: O atual cenário do câncer de mama demanda novas soluções para diagnóstico e acompanhamento. A Razão Neutrófilo-Linfócito (RNL) tem sido estudada como um biomarcador para predição de prognóstico em tumores sólidos. Devido à facilidade de obtenção desses valores a partir de um hemograma, a RNL pode ser uma útil ferramenta na conduta clínica. Objetivos: Analisar a relação entre a RNL e a Resposta Patológica Completa (RPC) em pacientes com câncer de mama ductal, submetidas à quimioterapia neoadjuvante e cirurgia entre 2017 e 2019 na instituição hospitalar de referência (n=1.230). Material e Métodos: Foi realizado um estudo transversal retrospectivo com dados provenientes de registros médicos e resultados laboratoriais. Com a aplicação dos critérios de inclusão e exclusão, obtivemos uma amostra final de 114 pacientes. Resultados: A área sob a curva (ROC) não apresentou área estatisticamente significativa (AUC=0,546), com IC95%=0,417-0,676. Não foi possível observar relação entre RNL e RPC (p=0,631), de forma que RNL não se comporta como um bom biomarcador de RPC nessa população. Com relação ao padrão de RNL para os diferentes subtipos histológicos, não foi encontrada alteração estatisticamente significativa entre os subtipos (p=0,929). Conclusão: A RNL não se comportou como um bom biomarcador de RPC nessa população, no entanto, nossos resultados abrem a possibilidade de futuros estudos sobre os subtipos histológicos e sua relação com RNL e RPC, considerando a heterogeneidade do câncer de mama
  • Item
    Análise da Disponibilidade de Diagnósticos Laboratoriais e Tratamentos em Micologia em Países em Desenvolvimento: Continente Africano e Leste Europeu
    (2023-04-14) Driemeyer, Cândida; Pasqualotto, Alessandro Comarú
    Introdução: As doenças fúngicas representam um desafio diagnóstico e terapêutico, especialmente em países em desenvolvimento. A epidemiologia das infecções fúngicas foi descrita em muitos países do continente africano e do leste europeu, mas a disponibilidade de drogas antifúngicas e ferramentas diagnósticas em micologia médica nessas regiões era desconhecida. Objetivos: Descrever a capacidade diagnóstica e terapêutica no tratamento de pessoas com infecções fúngicas no continente africano e no leste europeu e analisar cada um dos centros respondedores, classificando-os de acordo com a European Confederation of Medical Mycology Excellence Centre Initiative, principalmente sobre o potencial de atingir ou não o estágio mínimo da classificação, chamado Blue Status. Materiais e Métodos: Foi realizada uma pesquisa online através da plataforma clincalsurveys.com destinada a profissionais e a pesquisadores do continente africano e do leste europeu, com perguntas específicas sobre as características do serviço de saúde, perfil de pacientes atendidos e a disponibilidade de drogas e testes diagnósticos para doenças fúngicas. As respostas foram analisadas utilizando o software SPSS 27. Resultados: Em relação ao continente africano, recebemos 40 respostas provenientes de 21 países diferentes. Apenas cinco instituições (12,5%) localizadas em Camarões, Quênia, Nigéria, Sudão e Uganda potencialmente preenchiam os requisitos mínimos para o Blue Status. Testes de suscetibilidade estavam disponíveis em 30% das instituições e detecção de antígeno de Aspergillus spp. em 47,5%. O acesso a medicamentos como voriconazol e posaconazol (disponível para 35,0% e 5,0% das instituições, respectivamente) foi muito limitado. Em relação ao leste europeu, 31 instituições responderam ao questionário. Dessas, 48,4% potencialmente preenchiam os requisitos mínimos para o Blue Status e estavam localizadas na Rússia, Grécia, Croácia, República Tcheca, Hungria, Sérvia, Eslováquia e Eslovênia. Testes sorológicos estavam disponíveis principalmente para espécies de Aspergillus (80,6%). Flucitosina estava disponível para apenas 29% dos centros participantes. Conclusão: As regiões tem enormes lacunas no acesso a diagnósticos e a tratamentos em doenças fúngicas. Esforços unidos e direcionados são mandatórios para enfrentar os crescentes desafios da micologia médica e melhorar ainda mais os recursos de diagnóstico e tratamento.
  • Item
    Neuromonitoramento intraoperatório em tireoidectomia: uma revisão sistemática e meta-análise
    (2022-03-11) Ferreira, Claurio Roncuni; Zettler, Claudio Galleano; Watte, Guilherme
    OBJETIVO: Comparar os resultados de neuromonitoramento intraoperatório (IONM) vs identificação visual do nervo laríngeo recorrente (RLN) em pacientes submetidos à tireoidectomia. MÉTODO: MEDLINE e EMBASE foram pesquisados até 27 de abril de 2021 para incluir estudos randomizados e não randomizados controlados que compararam o IONM vs a identificação visual do RLN em pacientes submetidos à tireoidectomia. De cada artigo, foram extraídas as paralisias temporárias e definitivas do NLR por grupo. De cada artigo foram extraídos o período de estudo, número de nervos em risco (NAR), paralisia temporária e definitiva do RLN por grupo. Quaisquer divergências foram resolvidas por consenso. A Odds Ratio (OR) da IONM vs identificação visual foi extraído de cada estudo para calcular as medições combinadas para paralisia temporária e definitiva de RLN por grupo. RESULTADOS: A busca na literatura rendeu 1.484 estudos e 8 preencheram os critérios de inclusão com um total de 10.260 pacientes. Houve uma diferença significativa na paralisia temporária de RLN entre os grupos com um favorecimento do grupo IONM (OR, 0,57; IC 95%: 0,40, 0,83; I 2 = 74,4%; p = 0,002). Em relação à paralisia RLN definitiva, houve uma diferença significativa entre IONM vs identificação visual favorecendo IONM (OR, 0,41; IC 95%: 0,29, 0,57; I 2 = 0,0%; p = 0,488). CONCLUSÃO: O uso de IONM pode reduzir a paralisia temporária e definitiva do RLN da tireoidectomia
  • Item
    Crioterapia do couro cabeludo durante a quimioterapia em câncer de mama: avaliação da percepção das pacientes sobre alopecia
    (2021-06-30) Silva, Poliana Rodrigues; Rosa, Daniela Dornelles
    Introdução: O câncer é um problema de saúde pública, no Brasil e, segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA), o câncer de mama é o tipo mais comum em mulheres. A quimioterapia é um dos tratamentos mais comumente realizados, sendo a alopecia um evento adverso muito comum, com impacto negativo na qualidade de vida das pacientes. Objetivos: Este estudo tem por objetivo avaliar a qualidade de vida de pacientes com câncer de mama submetidas a crioterapia capilar durante quimioterapia e descrever dados de densidade capilar avaliados por tricoscopia. Material e Métodos: Estudo piloto de coorte prospectivo em que foram incluídas 27 pacientes com diagnóstico de câncer de mama (média de idade 46 anos) de um único centro do Brasil, submetidas a crioterapia capilar. Foram aplicados questionários de qualidade de vida (QoL; EORTC QLQ-C30) e de satisfação com a autoimagem ao início e ao fim do tratamento, além de coleta de dados de alopecia. Uma comparação entre pacientes tratadas com (11) ou sem (16) antraciclinas foi realizada a fim de avaliar a influência deste tratamento na alopecia. A tricoscopia digital foi realizada em 3 momentos: no início, antes do segundo ciclo de quimioterapia e ao final do tratamento. Todas as análises de tricoscopia foram realizadas utilizando o equipamento Fotofinder®. Resultados: Não houve diferença nas médias dos escores de QoL ou de satisfação com imagem corporal na comparação entre pacientes que apresentaram perda de cabelo < 50% com aquelas com perdas > 50%. Os desfechos de QoL global e da subescala funcional do EORTC QLQ-C30, além da imagem corporal, foram melhores nas pacientes que utilizaram quimioterapia com antraciclinas. A densidade capilar descrita na tricoscopia demonstrou redução máxima de até 16,3%, sendo o principal local de perda a região frontal. Conclusões: Os resultados deste estudo demonstraram que não houve melhora na qualidade de vida das pacientes com menor grau de alopecia durante o tratamento quimioterápico quando submetidas a crioterapia capilar. O uso de escalas validadas para esse fim podem ser úteis para uma melhor avaliação de qualidade de vida nesta população.
  • Item
    O tempo de espera na lista de transplante renal
    (2022-08-08) Ramos, Lisianara Acosta; Keitel, Elizete; Neumann, Jorge
    Introdução: O transplante renal é o tratamento de substituição da função renal de melhor custo-benefício. O objetivo deste estudo foi analisar a lista de espera para transplante renal de acordo com a reatividade contra painel calculada (cPRA) e seus desfechos em um hospital terciário. Resultados: A média de idade foi de 45,39 18,22 anos, sem diferença entre os grupos de cPRA (p=0,328). O sexo masculino foi o predominante (61,2%), porém a proporção foi diminuindo linearmente com o aumento do cPRA (p<0,001). A distribuição de pacientes conforme os painéis foram: 0% (n = 390), 1% - 49% (n = 517), 50% - 84% (n = 269) e ≥ 85% (n = 226). O transplante foi realizado em 85,5% da amostra com uma mediana de 8 meses (IC 95%: 6,9 - 9,1) em lista. Houve diferença significativa na comparação da curva de tempo de espera por cPRA (Log Rank = 188,0 p<0,001). O cPRA ≥ 85% teve uma mediana de tempo até o transplante de 36 meses (IC 95%: 28,1 – 43,9), significativamente maior que os demais grupos. O cPRA ≥85% associou-se significativamente com a proporção status de ativos e óbito em lista de espera (p=0,004). Nos pacientes submetidos ao transplante não observamos diferença na sobrevida do enxerto e do paciente entre os diferentes cPRAs. Conclusão: O tempo de espera até o transplante renal foi significativamente maior em pacientes com cPRA ≥ 85%, no entanto a sobrevida do enxerto e do paciente foi similar nos diferentes grupos de cPRA. Palavras-chave: Tempo de espera em lista, Transplante Renal, anticorpos anti-HLA, cPRA Pacientes e métodos: Foram incluídos 1.640 pacientes que estavam em lista de espera entre 2015 e 2019. Para a análise, foram comparados tempo de espera de acordo com a cPRA. Para presença de anticorpos anti-HLA foi considerada a intensidade média de fluorescência (MFI) acima de 1000.
  • Item
    Ausência da proteína Nek1 aumenta a instabilidade genômica e o recrutamento da proteína 53BP1 em células de glioblastoma
    (2023-02-28) Argenti, Marco Raabe; Moura, Dinara Jaqueline
    Introdução: Gliomas são neoplasias de células gliais que compreendem a maioria dos tumores primários do SNC, sendo o glioblastoma multiforme (GB) o tipo maligno mais comum, representando 48% entre os tumores malignos do SNC. Os GB são agressivos e têm um prognóstico ruim, mesmo com a tríade de tratamento: ressecção cirúrgica, radioterapia e quimioterapia com temozolomida (TMZ), tendo uma sobrevida média baixa de em torno de 14,6 meses. A busca por novos alvos moleculares e estratégias terapêuticas é fundamental. A proteína Nek1 é importante na resposta a danos no DNA, pois interage com proteínas envolvidas nas vias de reparo, apoptose e regulação de ciclo celular, tais como a 53BP1; estudos recentes têm apontado seu envolvimento na quimiorresistência e progressão tumoral. A Nek1, por ser uma proteína com funções cruciais na estabilidade genética através de diversos mecanismos, possui inúmeras rotas bioquímicas que podem ser afetadas na sua presença, ausência ou variação de expressão. Sua interação com proteínas como Ku80, ATR/ATM, Chk1, VHL, MRE11, MSH6 e Rad54 são exemplos de como a Nek1 mostra-se relevante na manutenção da homeostasia genética, envolvendo mecanismos de estabilização de forquilhas de replicação, parada de ciclo, reparo de DNA e outras funções associadas ao microambiente celular. A 53BP1 é outra proteína chave deste estudo, possuindo um papel diretamente relacionado com outra estrutura conhecida no contexto tumoral, a proteína BRCA1. Seu envolvimento sinérgico com a BRCA1 dá-se através da regulação e direcionamento às vias de HR e NHEJ nas primeiras etapas após a sinalização de dano. Objetivos: Analisar a genotoxicidade utilizando o teste de micronúcleo em linhagens com a proteína Nek1 Knockout (Nek1-KO) durante um protocolo clínico simulado, após tratamento com TMZ e o radiomimético zeocina, assim como avaliar a relação da ausência da proteína Nek1 no recrutamento da proteína 53BP1, utilizando uma linhagem com a proteína 53BP1 truncada fluorescente. Metodología: As células (Nek1-WT e Nek1-KO) foram tratadas com TMZ e zeocina por 7 dias, após o tratamento foram lavadas e incubadas com citocalasina B por 36h, fixadas e coradas para avaliação da formação de micronúcleos. O recrutamento da proteína 53BP1 também foi avaliado nas linhagens Nek1-WT e Nek1-KO, por microscopia de fluorescência; após tratamentos, imagens foram adquiridas por 24h no InCell Analyzer 2200 e a contagem de foci da 53BP1 foi mensurada. Resultados e Conclusão: Os resultados indicam um aumento de genotoxicidade na linhagem Nek1-KO, indicando um envolvimento desta proteína na manutenção da estabilidade genômica. Adicionalmente, foi possível observar uma diminuição na resolução de quebras duplas, pela marcação mais persistente da proteína 53BP1 na linhagem sem a proteína Nek1 (U87-KO), sugerindo uma relação da proteína Nek1 no recrutamento de outras proteínas envolvidas no reparo de quebras duplas.
  • Item
    Avaliação do tempo decorrido desde o diagnóstico de câncer de mama até o início do tratamento em pacientes brasileiras: Um sub estudo do projeto “AMAZONA III – Avaliação prospectiva da Casuística de Câncer de Mama em Instituições de Saúde Brasileiras”
    (2020-10-28) Maschmann, Raíra Mesquita; Rosa, Daniela Dornelles
    Introdução: Câncer de mama é a principal causa de morte em mulheres brasileiras e, frequentemente, pergunta-se se os atrasos para início do tratamento contribuem para piores desfechos. Mesmo sem consenso definitivo no intervalo ideal para o tratamento iniciar, estudos mostram que atrasos para iniciar tratamento estão associados a aumento na mortalidade. Ainda, no Brasil, a lei 12.732/2012, indica que é direito do paciente oncológico iniciar tratamento em até sessenta dias do diagnóstico. Objetivos: Descrever o intervalo de tempo entre diagnóstico até início do tratamento para câncer de mama e comparar entre os diferentes sistemas de saúde e regiões do Brasil. Pacientes e Métodos: Sub análise do estudo AMAZONA III. Análise do intervalo entre diagnóstico e tratamento apresentada em mediana em dias foi realizada comparando sistemas público e privado em diferentes estratificações: de acordo com o tipo de tratamento recebido, estágio clínico e região de origem da participante. Resultados: Das 2374 pacientes avaliadas, 59,7% delas receberam cirurgia como primeiro tratamento, seguidas por 38.9% que receberam quimioterapia neoadjuvante. Cirurgia foi o primeiro tratamento indicado para pacientes diagnosticados com estágios I e II e quimioterapia neoadjuvante foi a primeira opção para mulheres em estágio III. A mediana de dias para o tratamento iniciar foi significantemente maior no sistema público quando comparado ao privado (60 vs 34 dias). Notou-se intervalo significantemente menor para início do tratamento de mulheres em estágio III (48 dias) quando comparado a estágios I e II (63 e 59 dias, respectivamente) no sistema público. Conclusão: Para aproximadamente 60% das mulheres brasileiras, o tratamento para câncer de mama iniciou dentro de 60 dias do diagnóstico. Ainda permanece necessário identificar as razões para tamanha diferença no intervalo identificado entre sistemas público e privado.
  • Item
    Avaliação da toxicidade cutâneo-mucosa associada ao tratamento oncológico com terapias-alvo
    (2022-11-09) Recuero, Júlia Kanaan; Bonamigo, Renan Rangel
    Introdução: Vivemos atualmente um período de incessante atualização terapêutica, principalmente nos tratamentos oncológicos. Vários novos medicamentos foram usados e testados e os efeitos adversos relacionados estão sendo constantemente notados. Muitos desses novos medicamentos, como as terapias alvo, refletem um índice significativo de manifestações cutâneas associadas ainda pouco analisadas em nosso segmento. Objetivos: descrever as manifestações dermatológicas associadas ao uso da terapia alvo. Materiais e Métodos: Foi feita uma seleção de agosto de 2019 a agosto de 2021 de pacientes maiores de 18 anos em uso das terapias supracitadas no Complexo Hospitalar Santa Casa de Porto Alegre que apresentaram toxicidade cutânea durante o tratamento. Coletaram-se dados clínicos e epidemiológicos, bem como foi realizada análise descritiva, classificando as reações e graduando as mesmas, além de descrever o, tempo de desenvolvimento do evento adverso e outros desfechos. O seguimento foi feito por pelo menos um ano após o diagnóstico, observando padrões de reações. Resultados: Um total de 25 pacientes foram inicialmente selecionados e 21 pacientes foram incluídos no estudo. Destes, 13 pacientes apresentavam câncer de cólon ou reto, 4 de pulmão, 3 de fígado e 1 de pele. Mais de um evento adverso ocorreu em nove pacientes (42%) aumentando para um total de 34 reações em 21 pacientes. Os medicamentos mais utilizados foram cetuximab (n=12), gefitinib (n=3), regorafenib (n=2) e sorafenib (n=2). As reações cutâneas mais comuns observadas foram erupção acneiforme (n=11, 52%), seguida de xerose (n=4, 19%), alterações ungueais (n=3, 14%) e síndrome mão-pé (n=3, 14). %). Os pacientes com erupções acneiformes eram mais jovens do que os pacientes com outros tipos de reações cutâneas (p=0,016). Conclusões: A erupção acneiforme é a mais comum das toxicidades por terapias direcionadas, e os pacientes afetados são mais jovens do que aqueles afetados por outras reações.
  • Item
    Canais iônicos no câncer endometrial: uma revisão de literatura
    (2022-12-22) Noal, Francini Corrêa; Branchini, Gisele; Nunes, Fernanda Bordignon
    Introdução: O câncer é um dos principais problemas de saúde pública e a segunda causa de morte global, sendo o câncer endometrial (CE) o sexto mais comum. Para combater a doença, a cirurgia para a retirada do útero, ovário e tubas uterinas ainda é o procedimento mais indicado. Dependendo da agressividade da doença, tratamentos como quimioterapia e radioterapia são administrados adjuntamente. Há estudos que sugerem que os canais iônicos também podem ter contribuição no processo de carcinogênese, uma vez que suas funções de transporte iônico estão envolvidas em uma série de processos celulares fisiológicos, os quais podem estar alterados na iniciação e na progressão do câncer. Objetivos: elaborar uma revisão narrativa compilando os trabalhos que descrevem o envolvimento dos canais iônicos no câncer endometrial. Métodos: Foram buscados todos os trabalhos na literatura científica, na base de dados PubMed, com os descritores “proteínas de transporte de membrana”, “canais iônicos” e “neoplasia endometrial”, com o uso de operadores booleanos. Foram selecionados os artigos de pesquisa original que descreviam algum método de estudo dos canais iônicos no CE, além de artigos adicionais usados na construção da narrativa do texto, que descreviam características do câncer uterino e dos canais iônicos. Resultados e Conclusões: foram utilizados 127 artigos científicos para elaboração da revisão narrativa, evidenciando o papel das principais famílias de canais iônicos nos mais diversos processos celulares envolvidos no estabelecimento e progressão tumoral. Embora o câncer não seja catalogado como uma canalopatia, os canais e as bombas iônicas têm papel de destaque na progressão do câncer, na autossuficiência em sinais de crescimento, proliferação, evasão da morte programada, angiogênese, diferenciação celular, migração, adesão e metástase. As funções dos canais iônicos e transportadores como potenciais alvos terapêuticos estão entre as abordagens mais inovadoras para o tratamento anticâncer, apesar de não existirem ainda estudos avaliando os canais iônicos possíveis alvos de tratamento oncológico para o câncer endometrial.
  • Item
    Análise clínica, histopatológica e imunohistoquímica do carcinoma escamoso de vulva
    (2023) Todeschini, Lorenza Bridi; Roehe, Adriana Vial; Alves, Rita de Cássia Sant'Anna
    Introdução: Um aumento de cerca de 14% na incidência do carcinoma de células escamosas (CEC) de vulva em mulheres mais jovens tem sido demonstrado. O CEC de vulva relacionado ao papilomavírus humano (HPV) apresenta expressão de p16 e parece ter melhor prognóstico. A p53 anormalmente expressa e o PDL1 estão presentes nos casos não associados ao HPV. Objetivos: Avaliar correlação entre os marcadores imunohistoquímicos p16, p53 e PDL1 no CEC de vulva e sua relação com características clínicas e anatomopatológicas. Material e métodos: Foi realizada uma revisão histopatológica de 41 lâminas de CEC de vulva, coletadas entre 2016 e 2021. Em seguida, foram realizadas reaçõesimunohistoquímicas com anticorpos para p16, p53 e PDL1. O resultado foi correlacionado com as características clínicas e anatomopatológicas da doença. Resultados: A média de idade das pacientes foi de 72,1 anos. O p16 foi positivo em 24,4% dos casos, e o PDL1 foi positivo em 17,1%. O p53 estavaausente em 19,5% das amostras e superexpresso em 24,4% dos casos. Houve correlação entre a profundidade da invasão tumoral e a expressão de p16 e p53. Casos positivos para p16 apresentaram menor profundidade de invasãodo que os negativos (1,1 mm versus 1,8 mm) (p= 0.014). A média da profundidade de invasão foi maior nos casos de expressão alterada do p53 (1,9 mm versus 1,4 mm) (p= 0.041). A correlação entre a expressão do PDL1 e infiltrado inflamatório acentuado teve um p= 0.055. Os casos de invasão linfática (5%) eram p16 negativos. Conclusões: Houve correlação inversa entre p53 alterado e presença do p16 e relação entre maior profundidade de invasão tumoral com p53 alterado e p16 ausente.
  • Item
    Avaliação do infiltrado linfocitário peritumoral em melanomas cutâneos in situ e em melanomas cutâneos invasivos finos com e sem metástases
    (2019) Bevilaqua, Mariele; Bonamigo, Renan Rangel; Roehe, Adriana Vial
    Introdução: O êxito metastático no melanoma cutâneo requer uma série patogênica sequencial ordenada; o infiltrado linfocitário tumoral (ILT) pode exercer papel protetivo contra essa sequência, mas não há unanimidade quanto ao tema. Nos melanomas cutâneos primários in situ (MCis) e nos melanomas cutâneos primários finos (MCPf), o embasamento científico disponível é ainda mais incipiente. Objetivos: Verificar e quantificar a presença do ILT peritumoral (ILT-p) em MCis e MCPf e investigar a relação do ILT-p com a presença de metástases nos MCPf. Material e Métodos: Foram estudados 73 pacientes, sendo 23 com MCis e 50 com MCPf. Destes, 22 casos (pacientes com metástases) e 28 controles (pacientes sem metástases), onde se verificou a presença do ILT-p e, quando presente, classificado em leve, moderado e marcado. Variáveis clínicas e histopatológicas foram descritas em ambos os grupos. No grupo dos MCPf, houve a comparação do ILT-p e das variáveis clínicas e histopatológicas entre casos e controles. Resultados: No grupo dos MCis (N=22), não houve diferença entre os sexos; a média de idade foi de 57,4 anos; o fototipo II foi o predominante e a maioria dos melanomas se localizava nos membros (54,5%). O principal subtipo histológico encontrado foi o espalhamento superficial (95,5%); a fase de crescimento predominante foi a horizontal (86,4%) e o ILT-p predominante foi o leve, em 59,1% dos indivíduos. Dentre o grupo dos MCPf, a média de idade foi de 50,7 anos nos casos e 56,2 anos nos controles (p=0,234); predomínio do sexo masculino nos casos (63,6%) e do feminino nos controles (53,6%), (p=0,354); o fototipo predominante foi o II em casos e controles (p=0,113) e tronco foi identificado como a principal topografia em ambos os grupos (p=0.187); sendo o espalhamento superficial o principal subtipo de melanoma (86,4% dos casos e 92,9% nos controles, p=0,499); a mediana de Breslow foi de 0.8 mm nos casos e 0.6 mm nos controles (p=0.012). A ulceração foi evidenciada em 22,7% dos casos e em 17,9% dos controles (p=0,732) e a regressão foi encontrada em 45% dos casos e 28,6% dos controles (p=0,386) A fase de crescimento vertical foi a predominantemente encontrada em 80% dos casos e 50% dos controles (p=0.012).Especificamente, ILT-p “moderado e marcado” foi encontrado em 54,5% dos casos e em 67,9% dos controles (p=0,503). Na análise univariada, a presença do ILT-p “moderadoe marcado” apresentou OR=0.57 e, na análise multivariada, com ajustes para para idade, índice de Breslow e fase de crescimento, OR= 0.69. Apesar do efeito protetor verificado em ambas as análises, não houve significância estatística (p>0.05). Conclusões: Nesta amostra todos os MCis e MCPf apresentaram algum grau de ILT-p. Verificou-se, entre os MCPf, possível tendência a um efeito protetor do ILT-p “moderado a marcado” para o surgimento de metástases.
  • Item
    Avaliação morfométrica do nervo laríngeo recorrente de ratos wistar expostos a agrotóxicos
    (2020) Macedo, Mateus Belmonte ; Dallegrave, Eliane; Malysz, Tais
    Introdução: Indivíduos expostos pela via inalatória a compostos químicos podem apresentar sintomas respiratórios, disfagia, e alterações vocais que podem se manifestar conforme o tipo, concentração e o tempo de exposição ao agente tóxico. A cipermetrina e o diclorvós são pesticidas amplamente utilizados na agricultura, em campanhas de saúde pública, na medicina veterinária e em ambientes domésticos. Todavia, apesar das evidências científicas demonstrarem que essas substâncias podem causar danos neurodegenerativos e alterações motoras, não há estudos que avaliem os efeitos tóxicos na morfologia das estruturas responsáveis pela mobilidade vocal, especialmente o Nervo Laríngeo Recorrente (NLR). Objetivos: Avaliar as possíveis alterações na microestrutura do NLR secundárias à exposição inalatória subcrônica aos agrotóxicos: diclorvós (organofosforado) e cipermetrina (piretroide) em ratos Wistar. Materiais e Métodos: 15 ratos Wistar machos foram alocados em 3 grupos: Controle (n=5, expostos à água, veículo de diluição da formulação), Cipermetrina [n=5, expostos à cipermetrina – 1/10 da Concentração Letal Mediana Inalatória (CL50) - 0.25mg/L] e Diclorvós (n=5, expostos ao diclorvós – 1/10 da CL50- 1.5mg/L). A exposição inalatória ocorreu durante 4h diárias, 5 vezes por semana, por 6 semanas (CEUA-UFCSPA: 321/15 e 323/15). Os nervos foram coletados e analisados utilizando parâmetros histomorfométricos mensurados por meio do software ZEN 2.6 (Zeiss – Alemanha). Resultados: Os achados morfométricos do NLR dos grupos Cipermetrina e Diclorvós evidenciaram alterações significativas (p<0.001, ANOVA) no g-ratio e na espessura da bainha de mielina quando comparados ao controle, no entanto, nenhum dos demais parâmetros avaliados demonstrou diferenças estatisticamente significativas. Conclusão: A exposição subcrônica inalatória de 1/10 da CL50 da cipermetrina e do diclorvós aumentou significativamente o grau de mielinização do NLR e o diclorvós reduziu significativamente a espessura da bainha de mielina, ambos efeitos em comparação a avaliação do NLR do grupo controle em modelo animal.