Doação após morte circulatória e transplante de pulmão

Carregando...
Imagem de Miniatura
Data
2022
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Editor
Wagner Wessfll
Resumo
Introdução: O Transplante Pulmonar (TxP) é a modalidade mais eficaz para o tratamento de pacientes com doenças pulmonares em estágio terminal. Infelizmente, muitas pessoas não podem se beneficiar dessa terapia devido à disponibilidade insuficiente de doadores. Em nosso primeiro artigo, discutimos a Doação após Morte Circulatória (DMC), que sem dúvida é essencial entre as estratégias desenvolvidas para aumentar o pool de doadores. No entanto, existem considerações éticas e legislativas no processo de doação da DMC que são diferentes da Doação após Morte Encefálica (DME). Entre outros, os aspectos críticos do DMC são o conceito de terminalidade, a cessação de tratamentos fúteis e retirada de terapia de suporte de vida. Além disso, descrevemos uma justificativa para o uso de pulmões provenientes de DMC e fornecemos algumas definições importantes, destacando as principais diferenças entre DMC e DME, incluindo aspectos fisiológicos pertinentes a cada categoria. A capacidade única dos pulmões de manter a viabilidade celular sem circulação, supondo que o oxigênio seja fornecido aos alvéolos – um aspecto essencial da DMC – também é discutida. É feito uma revisão atualizada da experiência clínica da DMC para TxP em centros internacionais, avanços recentes na DMC e alguns dilemas éticos que merecem atenção a esse respeito. Em nosso segundo artigo, baseado no fato de que o TxP com DMC demonstrou resultados equivalentes em comparação à DME, quisemos avaliar a segurança da DMC, em comparação com o DME. Os dados do uso de DMC para receptores de alto risco (AR) são limitados, e é por isso que fizemos essas comparações entre DMC e DME. Métodos: Realizamos um estudo de “propensity score matching” para avaliar o impacto do transplante com DMC em receptores de AR. Além disso, avaliamos o efeito do perfil do receptor (AR vs. não AR) em DMCs e DMEs no TxP. Resultados: Entre 2009 e 2018, foram identificados 1.829 transplantes pulmonares duplos (TxPD) para receptores de AR. Destes, 131 foram realizados com doadores DMC. Não houve diferença na sobrevida entre doadores DMCs e DMEs entre os receptores de AR-TxPD (p=0,16). No entanto, os receptores AR tiveram pior sobrevida em comparação com os não AR na DMEs (p<0,001), mas não no transplante usando DMC (p=0,95). Conclusões: Nossos achados sustentam que os pulmões provenientes de DMC são apropriados para receptores de AR e não devem ser considerados doadores inferiores ou de alto risco. Seu uso deve, acima de tudo, ser mais estimulado e não restringido.
Descrição
Tese (Doutorado)-Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde, Fundação Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre.
Palavras-chave
Transplante de Pulmão, Doação de Órgãos e Tecidos, Morte Circulatória, Morte Encefálica, Transplante de Órgãos, Doenças Pulmonares, [en] Lung Transplantation, [en] Tissue and Organ Procurement, [en] Brain Death, [en] Organ Transplantation, [en] Lung Diseases
Citação
Coleções