Fatores associados à colonização por enterobactérias resistentes a carbapenêmicos em pacientes oncológicos

Carregando...
Imagem de Miniatura
Data
2020
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Editor
Wagner Wessfll
Resumo
Introdução: As infecções e as colonizações causadas por germes multirresistentes são um problema globalmente reconhecido em relação à sua prevalência e relevância, estando associados a um aumento no tempo de internação, custos para os serviços de saúde e taxas de morbidade e mortalidade. A resistência bacteriana aos antimicrobianos, especialmente pelo desenvolvimento de carbapenemases, tem sido um grave problema de saúde pública. Informações sobre fatores associados à colonização podem ser úteis na orientação do tratamento na suspeita de infecção. Portanto, a necessidade de analisar pacientes oncológicos foi obtida a fim de compreender os fatores associados à ocorrência de colonização por ERC (Enterobactérias Resistentes a Carbapenêmicos) nesse grupo. Materiais e métodos: Estudo caso-controle desenvolvido em hospital de referência terciário em tratamento oncológico em Porto Alegre, no período de janeiro a dezembro de 2017. A população foi constituída por pacientes com diagnóstico de doença oncológica em internação clínica / cirúrgica. Resultados: Dos 139 isolados ERC, os mais comumente identificados foram Klebsiella pneumoniae = 93 (66,9%), seguido por Enterobacter ssp = 25 (18%). A resistência foi atribuída à produção de carbapenemase em todos os 139 isolados, 103 (74,1%) foram positivos para o gene bla KPC (Klebsiella pneumoniae produtora de carbapenemase), o gene bla NDM-1 (New Delhi metalobetalactamase) encontrado em 20 (14,3%) casos e os dois genes bla KPC e bla NDM-1 foram identificados simultaneamente em 16 (11,5%). A análise univariada mostrou que das variáveis significativamente associadas ao desfecho representado pela colonização pelo ERC foram idade (p = 0,036), sexo masculino (p = 0,007), tumores com topografia óssea (p = 0,027), tipo de internação cirúrgica (p = 0,012), número de transferências intra-hospitalares desde a internação (p = <0,001), tempo de internação> 30 dias (p = <0,001), internação na UTI (Unidade de Tratamento Intensiva) nos últimos 30 dias (p = <0,001), tempo de UTI superior a 15 dias (p = <0,001), procedimento cirúrgico nos últimos 30 dias (p = 0,024), uso de antibióticos nos últimos 30 dias (p = <0,001) e presença de lesão tumoral (p = 0,015). Em uma análise multivariada subsequente, o sexo masculino (OR = 2,18, IC95%: 1.35-3.53 p = 0,001), internação hospitalar para procedimento cirúrgico (OR = 2.23, IC95%: 1.08-4.59, p = 0,030) internação hospitalar por mais de 30 dias (OR = 3.25; IC95%: 2.01-5.25; p = <0,001); internação em UTI nos últimos 3 meses (OR = 2.33; IC95%: 1.31-4.14; p = 0,004), uso de antibióticos nos últimos 30 dias (OR = 2.48; IC95%: 1,41- 4.35; p = 0,002) e presença de ferida tumoral (OR = 4,11; IC95%: 1,50-11,2; p = 0,006), permanecendo fatores de risco significativos para colonização da ERC. Os seguintes antibióticos foram estatisticamente significativos após o ajuste para cada tipo de antibiótico: aminoglicosídeos (OR = 7,95, IC 95%: 2,44-25,9, p = 0,001) e linezolida (OR = 3,95, IC 95%: 1,12). -13,9, p = 0,032). Conclusões: Sexo masculino, internações hospitalares cirúrgicas, hospitalização superior a 30 dias e internações prévias na UTI nos últimos três meses, uso prévio de antimicrobianos, número de transferências intra-hospitalar e presença de lesão tumoral são importantes fatores associados à colonização retal de ERC.
Descrição
Dissertação (Mestrado)-Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde, Fundação Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre.
Palavras-chave
Carbapenêmicos, Enterobacteriáceas Resistentes a Carbapenêmicos, [en] Carbapenems, [en] Carbapenem-Resistant Enterobacteriaceae
Citação