Estigma em relação aos fumantes entre os profissionais da área da saúde

Carregando...
Imagem de Miniatura
Data
2018
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Editor
Wagner Wessfll
Resumo
Introdução: A sensibilização quanto aos efeitos nocivos do tabagismo e a não estigmatização do paciente fumante são condições essenciais que permitem aos profissionais da saúde exercerem seu trabalho de forma empática e competente. Entretanto, ainda são limitadas as evidências disponíveis na literatura que examinaram a percepção dos profissionais da saúde acerca do estigma contra o tabagista. O objetivo deste estudo foi investigar o estigma em relação aos fumantes entre profissionais da saúde e estudantes da área da saúde. Métodos: 384 profissionais e estudantes da área da saúde oriundos respectivamente do Complexo Hospitalar da Irmandade Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre e da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre concordaram em completar um questionário com dados sócio-demográficos e hábito tabágico, assim como uma escala de 15 ítens acessando estigma e a conscientização quanto aos efeitos do fumo. Dados descritivos e análise univariada estratificando e comparando a população de acordo com sexo, atividade profissional e hábito tabágico foram realizados utilizando o software SPSS versão 22. Resultados: A maioria dos participantes eram mulheres (277 versus 107 homens), 62,2% eram assistentes de enfermagem, enfermeiro/as ou médico/as, e 11.7% da população declarou ser fumante ou ex-fumante. O escore médio de estigma calculado a partir de itens da escala desenvolvida foi de 25,8±4,8 (média ± desvio padrão; escore mais baixo possível indo de 11 ao mais alto de 44). Aproximadamente 25% dos participantes ficaram acima do percentil 75 de escore identificando estigma. Comportamento estigmatizante por profissionais da saúde em relação aos pacientes foi evidenciado por 37,5% dos participantes no estudo. Estudantes demonstraram escore de estigma significativamente mais baixo que os profissionais já formados, sendo os estudantes de medicina os com o menor escore entre as áreas de atuação da população estudada. A estratificação da população para outras co-variáveis, como tabagismo, idade e sexo, não demonstrou significância estatística entre os grupos. Conclusão: O escore de estigma relativamente alto e o comportamento estigmatizante reportado entre profissionais da saúde em respeito ao paciente fumante encontrados neste estudo são relevantes e podem não ser uma realidade isolada. Esses resultados enfatizam a importância de investigar a abordagem do paciente tabagista pelos profissionais de saúde.
Descrição
Dissertação (Mestrado)-Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde, Fundação Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre.
Palavras-chave
Estigma Social, Tabagismo, Profissionais da Saúde, Estudantes de Ciências da Saúde, [en] Social Stigma, [en] Tobacco Use Disorder, [en] Health Personnel, [en] Students, Health Occupations
Citação