Diversidade genética de isolados de streptococcus pneumoniae pertencentes a sorotipos não integrantes da vacina 10-valente

Carregando...
Imagem de Miniatura
Data
2014
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Editor
Resumo
Streptococcus pneumoniae é um importante patógeno endêmico, associado a infecções com um elevado número de mortes e desfechos desfavoráveis, principalmente em crianças até 5 anos, idosos e pacientes em algum estado de imunocomprometimento, sendo o maior causador de pneumonias adquiridas na comunidade. A introdução das vacinas pneumocócicas, principalmente as conjugadas, apesar de diminuírem a incidência da doença pneumocócica invasiva e sua transmissão, também exerceu uma pressão seletiva sobre a distribuição dos sorotipos circulantes, levando a necessidade de um monitoramento das mudanças ocorridas tanto em termos de colonização quanto de infecções. As técnicas de biologia molecular têm sido cada vez mais utilizadas em monitoramentos epidemiológicos por permitir a caracterização de populações, comparação com amostras pré-existentes, correlação com clones endêmicos internacionais e outras populações. As técnicas de Pulsed-Field Gel Electrophoresis (PFGE) e Multi Locus Sequence Typing (MLST) são as técnicas consideradas padrão-ouro, e como uma técnica alternativa a elas vem ganhando espaço o Multiple-locus Variable Number of Tandem Repeat Analysis (MLVA) na caracterização de isolados de pneumococo. Sendo assim, o objetivo geral do estudo foi avaliar os genótipos de pneumococos dos principais sorotipos que não integram a vacina 10-valente, e o objetivo específico foi avaliar a utilização de um método alternativo para genotipagem de pneumococos (MLVA), comparando-o com os métodos padrão-ouro (PFGE e MLST). Para isso, foram utilizados 87 isolados de pneumococo dos períodos pré (n=23) e pós-vacina (n=64) coletados entre 2007 e 2012, predominantemente de sítios invasivos (n=83). Quanto à distribuição dos sorotipos, 25 amostras pertencem ao sorotipo 3, 15 ao sorotipo 12F, 15 ao sorotipo 20, 13 ao sorotipo 8, 11 ao sorotipo 19A, 5 ao sorotipo 6A e 3 ao sorotipo6C. A média de idade dos pacientes foi de 49,19 ± 23,25 anos, variando de 0 a 85 anos. O MLST foi consistente com PFGE e MLVA,sendo que foram encontradas oito novos STs: três pertencentes ao sorotipo 6A, dois ao sorotipo 19A, um ao 6C, um ao 8 e um ao sorotipo 20. Isolados associados aos clones PMEN Denmark12F-24, Netherlands8-33, Netherlands3-31 e Netherlands15B-37 também foram encontrados. A técnica de MLVA gerou perfis mais discriminatórios, com índice de diversidade de Simpson de 0,986, seguido pelo PFGE (0,962) e MLST (0,891). A diversidade entre os diferentes sets de MLVA previamente estabelecidos por outros autores demonstrou pequena diferença entre eles, sendo o set de van Cuyck o mais discriminatório (0,975), seguido por Pichon (0,972), Koeck (0,967) e Elberse (0,964). O coeficiente de Wallace demonstrou congruência de 100% da técnica de MLVA em relação a técnica de MLST. A aplicação do MLVA em uma região brasileira ainda não estudada e em sorotipos não vacinais é a principal contribuição deste estudo, técnica que apresenta um elevado poder discriminatório e congruência com as outras técnicas padrão-ouro, com custos reduzidos e facilidade de execução laboratorial.
Descrição
Dissertação (Mestrado)-Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde, Fundação Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre.
Palavras-chave
Streptococcus pneumoniae, Técnicas de Genotipagem, Sorotipos não Vacinais, Vacinas Pneumocócicas, Biologia Molecular, MLST, PFGE, [en] Genotyping Techniques, [en] Pneumococcal Vaccines, [en] Molecular Biology
Citação