Efeito de um programa de aprimoramento das habilidades de comunicação oral na ansiedade e no estresse autorreferidos

Carregando...
Imagem de Miniatura
Data
2020
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Editor
Wagner Wessfll
Resumo
INTRODUÇÃO: O medo de falar em público é um dos mais prevalentes na po pulação mundial. Na população de estudantes universitários este medo pode chegar a 63,9% por se tratar de uma exigência acadêmica em ocasiões variadas como em seminários, palestras e atividades de extensão e pesquisa. Indivíduos movidos pela ansiedade excessiva ao falar em público podem apresentar altera ções nos parâmetros de sua comunicação. Achados apontam que o aprimora mento das habilidades de comunicação oral, realizado por Fonoaudiólogos, per mitem que o indivíduo obtenha autoconfiança na utilização dos aspectos da ex pressividade e assim apresente diminuição da percepção de fatores associados ao medo e ansiedade. OBJETIVOS: Verificar os efeitos de um programa fonoa udiológico de aprimoramento das habilidades de comunicação oral por meio da mensuração dos índices autorreferidos de ansiedade e estresse. MÉTODO: Trata-se de um estudo tipo Ensaio Clínico randomizado controlado aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da instituição de origem sob número 2.729.273. Os critérios de inclusão deste estudo foram: homens e mulheres com idade entre 18 e 30 anos e ser estudante universitário. Como critério de exclusão foi adotado: ter participado de algum treinamento em oratória ou similar, exercer atividade regular que envolva falar em público, indivíduos com diagnóstico mé dico ou psicológico de transtorno ou fobia social e que tenham frequentado me nos que 75% das intervenções terapêuticas durante o estudo. Os sujeitos parti cipantes da pesquisa foram divididos aleatoriamente em dois grupos: Grupo in tervenção (GI) e Grupo controle (GC). O GI participou de seis oficinas de apri moramentos das habilidades de comunicação oral. As oficinas abordaram os se guintes conteúdos: Autoconhecimento vocal, respiração, articulação, ritmo de fala, coordenação pneumofonoarticulatória, expressividade vocal e comunicação não verbal. O GC participou de uma única oficina sobre saúde vocal. Os seguin tes protocolos foram aplicados antes da primeira e após a última oficina em am bos os grupos: Questionário de caracterização da amostra, Self Statements Du ring Public-Speaking Scale (SSPS), Perceived Stress Scale (PSS) e o Questio nário de Ansiedade Social para Adultos (CASO). RESULTADOS: A amostra final foi composta por 39 estudantes universitários que participaram de forma volun tária. O GI apresentou, após o aprimoramento, redução significativa dos escores de ansiedade no CASO de forma geral (p<0,001), e em todos os parâmetros do protocolo: interação com o sexo oposto (p<0,001), expressão assertiva (p<0,030), falar em público (P<0,001), interação com desconhecidos (p<0,001) e fazer o papel de ridículo (p<0,001). Os valores da PSS referentes ao estresse demonstraram aumento da autoavaliação positiva (p<0,031) e diminuição da au toavaliação negativa (p<0,016). Já na autoavaliação ao falar em público pela SSPS, foi verificado aumento (p<0,001) em relação ao GC. Após seis meses foi realizado um follow-up onde os participantes do GI demonstraram estabilidade na pontuação geral em relação ao momento pós-intervenção nos parâmetros relacionados a ansiedade e falar em público (CASO e SSPS). CONCLUSÃO: O aprimoramento fonoaudiológico das habilidades de comunicação oral promoveu a diminuição nos índices de ansiedade e estresse autorreferidos, aumentando a autopercepção positiva ao falar em público.
Descrição
Dissertação (Mestrado)-Programa de Pós-Graduação em Ciências da Reabilitação, Fundação Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre.
Palavras-chave
Fonoaudiologia, Comunicação, Ansiedade, Estresse, Treinamento da Voz, [en] Speech, Language and Hearing Sciences, [en] Communication, [en] Anxiety, [en] Stress, Psychological, [en] Voice Training
Citação