Associação de achados histológicos na biópsia renal com a não adesão ao tratamento imunossupressor

Carregando...
Imagem de Miniatura
Data
2018
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Editor
Resumo
Introdução: A não adesão ao tratamento imunossupressor é frequente após o transplante renal. Existem poucos dados disponíveis sobre os achados histopatológicos em biópsias de aloenxerto de pacientes não aderentes (NAd). Não é bem estabelecido se a histologia de rejeição aguda em pacientes transplantados renais NAd difere da dos aderentes (Ad). Objetivos: Analisar a prevalência de alterações histopatológicas em biópsias renais de pacientes transplantados e verificar a associação dessas alterações com a adesão ao tratamento. Materiais e Métodos: Estudo transversal, prospectivo. Pacientes com indicação clínica de biópsia renal foram analisados quanto à adesão ao tratamento imunossupressor e quanto às alterações na biópsia renal. Resultados: Foram analisadas 154 biópsias de enxertos renais de 131 receptores adultos. 111 pacientes (72%) foram considerados NAd. A presença de infiltrado rico em células plasmocitárias (PCi) foi descrita em 67 biópsias, dessas, 54 (p= 0,02) foram de pacientes considerados NAd. Biópsias dos pacientes NAd tiveram maior porcentagem média de alterações tubulo-intersticiais (p = 0,015). Dezoito pacientes apresentaram DSA de novo, 16 no grupo Nad (p = 0,053). Conclusão: A maior prevalência de PCi em pacientes NAd, mostra a importância do monitoramento da adesão ao tratamento no período pós transplante.
Descrição
Dissertação (Mestrado)-Programa de Pós-Graduação em Patologia, Fundação Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre.
Palavras-chave
Transplante de Rim, Adesão ao Tratamento Imunossupressor, Alterações Histopatológicas do Enxerto Renal, [en] Kidney Transplantation, [en] Immunosuppressive Agents
Citação