Efeitos agudos do uso do laser de baixa potência na função muscular em pacientes com insuficiência cardíaca

Carregando...
Imagem de Miniatura
Data
2016
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Editor
Resumo
A insuficiência cardíaca (IC) está associada com sintomas de intolerância ao exercício, dispneia e fadiga muscular; isto pode levar a um impacto negativo na qualidade de vida desses pacientes. Assim, novas abordagens são necessárias para minimizar os sintomas e melhorar a qualidade de vida de pacientes com IC. O laser de baixa potência (LBP) tem se mostrado como uma terapia adjuvante promissora para diminuir os sintomas musculares periféricos. Objetivou-se estudar o efeito do LBP na função muscular e na oxigenação tecidual dos membros inferiores de indivíduos com IC. Realizou-se um estudo clínico aleatorizado, duplo-cego, incluindo 14 indivíduos com IC, com quadro estável, classe II ou III segundo a New York Heart Association (NYHA). A função muscular e oxigenação tecidual, do membro inferior dominante foram avaliadas pré e pós-intervenção aguda com LBP, em 3 sessões: familiarização, LBP, placebo. As últimas duas sessões foram randomizadas. O LBP (5 diodos, comprimento de onda de 850 nm; Potência de saída = 200 mW; tamanho do ponto de 0,06; 5 J por diodo) foi aplicado em seis regiões do músculo quadríceps. A função muscular e fadiga foram avaliadas com um dinamômetro isocinético e, concomitante aos testes isocinéticos, foi verificada a oxigenação tecidual com o uso de espectroscopia no infravermelho próximo (NIRS). Foi analisada a concentração de oxiemoglobina (O2Hb), deoxiemoglobina (HHb) e hemoglobina total (THb); torque muscular, fadiga e percepção de esforço, durante os testes isocinéticos. O protocolo de fadiga consistiu de contrações isocinéticas concêntricas e excêntricas (cc/ce) até a exaustão ou até atingir 50 cc/ce. Três repetições de pico de torque (PT) foram realizadas antes e após o protocolo de fadiga. A normalidade dos dados foi analisada pelo teste de Shapiro Wilk. Os grupos foram comparados pelo teste ANOVA one-way e post-hoc LSD ou pelos testes de Mann-Whitney e Wilcoxon (p <0,05). Não foram encontradas diferenças entre os grupos em relação à fadiga muscular e à percepção de esforço. O grupo LBP apresentou aumento na O2Hb durante o pico de torque final (PTf) (3,81 ± 1,48 μM; p < 0,003). Durante o teste de fadiga muscular, ambos os grupos aumentaram os valores de THb (p < 0,05) e apenas o grupo LBP aumentou a HHb (p = 0,01). O LBP não foi capaz de produzir efeito agudo sobre a fadiga muscular periférica em indivíduos com IC, mesmo com indicativo de melhora do fluxo sanguíneo nos membros inferiores.
Descrição
Dissertação (Mestrado)-Programa de Pós-Graduação em Ciências da Reabilitação, Fundação Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre.
Palavras-chave
Insuficiência Cardíaca, Terapia com Luz de Baixa Intensidade, Fadiga Muscular, Torque, Oxigenação, [en] Heart Failure, [en] Low-Level Light Therapy, [en] Muscle Fatigue, [en] Oxygenation
Citação