Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufcspa.edu.br/jspui/handle/123456789/597
Files in This Item:
File Description SizeFormat 
[DISSERTAÇÃO] Santos, Fernando De Marco dosTexto integral1,69 MBAdobe PDFView/Open
Title: Relação do infiltrado linfocitário tumoral com a positividade do linfonodo sentinela no melanoma cutâneo fino
Authors: Santos, Fernando De Marco dos
metadata.dc.contributor.advisor: Bonamigo, Renan Rangel
metadata.dc.contributor.advisor-co: Furian, Roque
Issue Date: 2017
Keywords: Melanoma
Linfonodo Sentinela
Infiltrado Linfocitário
Melanoma Fino
Melanoma Cutâneo Primário
Pesquisa de Linfonodo
[en] Sentinel Lymph Node
[en] Lymph Nodes
Abstract: Introdução: a indicação de pesquisar o linfonodo sentinela no melanoma fino (≤1mm) não é um consenso. Determinadas características do microestadiamento patológico do melanoma cutâneo são utilizadas para a definição de condutas. O infiltrado linfocitário tumoral (ILT) está sendo reconhecido como um possível fator prognóstico, que pode ser utilizado no manejo inicial do paciente com melanoma cutâneo. Objetivos: determinar a relação entre a presença do infiltrado linfocitário tumoral e o comprometimento metastático do linfonodo sentinela (LS) no melanoma cutâneo primário (MCP) fino. Material e Métodos: os dados foram obtidos em um único centro oncológico de referência, no Laboratório de Patologia da Santa Casa de Porto Alegre. Foi realizado um estudo transversal, no qual 812 registros de pacientes com melanoma foram revisados e classificados (todas as espessuras de melanoma encontram-se nesse grupo). As variáveis aferidas foram infiltrado linfocitário tumoral (ausente, leve, moderado e acentuado), níveis de Breslow e de Clark, presença e número de mitoses, ulceração, regressão, satelitose, localização, sexo, idade e forma de apresentação. Como desfecho principal, o comprometimento metastático do linfonodo sentinela foi o objetivo. Resultados: foram avaliados 137 melanomas cutâneos primários (MCP) finos, dentre os quais 10 (7,3%) apresentaram LS comprometido. O ILT moderado/acentuado mostrou um RR=0,20 (0,05 – 0,72 IC 95%, p=0,014) para a presença de metástase no LS. A ulceração apresentou RR=12,8 (2,77 – 59,4 IC 95%, p=0,001) para o comprometimento do LS. VII VIII Conclusão: a presença de ILT moderado ou acentuado configurou um fator protetor para o LS no MCP fino. Dessa forma, o ILT pode ser utilizado como mais um critério do microestadiamento patológico do MCP na indicação da pesquisa do LS.
Description: Dissertação (Mestrado)-Programa de Pós-Graduação em Patologia, Fundação Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre.
metadata.dc.rights: Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional
metadata.dc.relation.requires: Adobe Reader
metadata.dc.date.date-insert: 2018-06-04
metadata.dc.type: Dissertação
Appears in Collections:PPGPAT - Dissertações



Creative Commons
This item is licensed under a Creative Commons License