Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufcspa.edu.br/jspui/handle/123456789/596
Files in This Item:
File Description SizeFormat 
[TESE] Becker, Roberta OriquesTexto integral5,88 MBAdobe PDFView/Open
Title: A ocitocina modula a densidade e a morfologia dos espinhos dendríticos na amígdala medial póstero-dorsal de camundongos
Authors: Becker, Roberta Oriques
metadata.dc.contributor.advisor: Giovenardi, Márcia
metadata.dc.contributor.advisor-co: Rasia Filho, Alberto Antonio
Issue Date: 2017
Keywords: Amígdala Medial Póstero-Dorsal
Morfologia das Espinhas Dendríticas
Densidade de Espinhas Dendríticas
Comportamento Sexual
Plasticidade Neuronal
[en] Dendritic Spines
[en] Sexual Behavior
[en] Neuronal Plasticity
Abstract: A ocitocina (OT) atua como um neurotransmissor/neuromodulador para regular um grande variedade de funções do sistema nervoso central (SNC) em machos e fêmeas, incluindo os comportamentos parentais, afiliativos e sexuais, bem como a memória social. A amígdala medial póstero-dorsal (MePD) é uma área sexualmente dimórfica localizada rede neural dos comportamento sociais, que apresenta alta concentração de receptores de OT. No nível celular, os espinhos dendríticos apresentam morfologias diversas, que vão desde pequenas protusões até formas maiores, e são considerados elementos pós-sinápticos com propriedades essenciais para o processamento das informações. Os espinhos dendríticos localizados nessa estrutura apresentam elevada plasticidade e são afetados por estímulos sociais dependentes do contexto. Neste trabalho, avaliamos os efeitos da deleção seletiva do gene da OT (OTKO) na quantidade e na morfologia dos espinhos dendríticos impregnados pela técnica de Golgi na MePD de camundongos (n = 6 em cada grupo) fêmeas (em diestro e proestro) e machos (com e sem experiência sexual). Para cada animal, foram analisados 8 dendritos diferentes com 1 dendrito por neurônios amostrado. As 3 principais morfologias de espinhos dendríticos encontradas na MePD foram identificadas e contadas a partir dessas amostras. Ou seja, as características morfológicas da cabeça e do pescoço dos espinhos permitiram a sua classificação em fino, cogumelo e achatado. Não foi observada diferança estatisticamente significativa na densidade de espinhos dendríticos entre as fêmeas em diestro. Contudo, no proestro, as fêmeas OTKO apresentam uma maior quantidade de espinhos dendríticos do que as fêmeas controle (WT), sendo que esse dado está relacionado com os espinhos dendríticos de diferentes morfologias. Os espinhos do tipo fino representam a metade de todas as morfologias observadas em ambos os grupos, mas o número de espinhos do tipo fino, cogumelo e achatado foi consideravelmente maior nos dendritos proximais dos camundongos fêmeas OTKO do que nas fêmeas WT. Notavelmente, esses dados também indicam que a morfologia cogumelo apresentou os efeitos mais intensos da deleção seletiva do gene da OT e das alterações na transmissão ocitocinérgica para a MePD e/ou dentro da MePD. Nos machos, em comparação com WT/ virgem, o grupo OTKO/virgem não apresentou diferenças na densidade de espinhos dendríticos, 8 mas ocorreu uma redução significativa na quantidade de espinhos dendríticos no grupo WT/Com experiência sexual (SexExp) quando comparado ao grupo OTKO/SexExp. Essa mudança estrutural está relacionada com morfologias específicas de espinhos dendríticos. Ou seja, a experiência sexual induziu uma diminuição no número de espinhos do tipo fino e cogumelo, ao mesmo tempo, um aumento no número de espinhos do tipo achatado. Além disso, os animais OTKO/SexExp apresentam mais espinhos do tipo fino e do tipo cogumelo do que o grupo WT/SexExp. Nossos resultados aumentam a notoriedade da participação da OT no remodelamento dos espinhos dendríticos, no refinamento sináptico e na plasticidade dependente de estímulos sociais na MePD, com implicações funcionais na regulação dos aspectos reprodutivos em camundongos fêmeas e machos.
metadata.dc.description.abstract-en: Oxytocin (OT) acts as a neurotransmitter/neuromodulator to regulate a diverse range of central nervous system (CNS) functions in both males and females, including parental, affiliative, and sexual behaviors, as well as social memory. The posterodorsal medial amygdala (MePD) is a sexually dimorphic area in the social behavior neural network, with high concentration of OT receptors. At the cellular level, dendritic spines have shapes ranging from small protrusions to large forms and are considered postsynaptic elements with critical properties for the information processing. Local dendritic spines are notably plastic and affected by context-dependent social stimuli. Here, we examined the effects of the selective deletion of the OT gene (OTKO) in the number and shape of Golgi-impregnated dendritic spines in the MePD of females (in proestrus and diestrus phases) and males (näive and sexually experienced) mice (n=6 each group). For each mice, 8 different dendrites were studied with 1 dendrite per sampled neuron. The 3 main differently shaped spines found in the MePD were identified and counted from these samples. That is, the morphological features of the spine head and neck allowed spine classification as thin, mushroom or stubby/wide. There was no statistically significant difference in the dendritic spine density between diestrus females. On the other hand, OTKO females in proestrus have a higher number of proximal dendritic spines than control (WT) mice and the spine density increase in OTKO mice involves differently shaped spines. Thin spines represent half of all observed shapes in both groups, but the number of thin, mushroom, and stubby/wide spines was consistently higher in proximal dendrites of OTKO mice than in WT females. Notably, these data also indicate that mushroom spines were the type that showed more intense effects following the selective deletion of the OT gene and the altered oxytocinergic transmission to and/or within the MePD. In males, compared to the WT/näive group, OTKO/näive group did not differ in the density of dendritic spines, but there was a significant and more intense reduction in the number of spines in the WT/sexually experienced (SexExp) than in the OTKO/SexExp groups. This structural change had a spine-specific feature. That is, sexual experience induced a decrease in the number of thin and mushroom-like spines at the same time that increased the number of stubby/wide spines. In addition, the OTKO/SexExp animals have more 10 thin and mushroom spines than the WT/SexExp ones. Our results add to the notion that OT participates in the spine remodeling, synaptic refinement, and social stimuli-dependent plasticity in the MePD with functional implications on the reproductive regulation of female and male mice.
Description: Tese (Doutorado)-Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde, Fundação Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre.
metadata.dc.rights: Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional
metadata.dc.relation.requires: Adobe Reader
metadata.dc.date.date-insert: 2018-05-23
metadata.dc.type: Tese
Appears in Collections:PPGCS - Teses



Creative Commons
This item is licensed under a Creative Commons License