Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufcspa.edu.br/jspui/handle/123456789/593
Files in This Item:
File Description SizeFormat 
[DISSERTAÇÃO] Riche, Cezar Vinícius WürdigTexto integral2,62 MBAdobe PDFView/Open
Title: Relação entre o consumo de vancomicina e a concentração inibitória mínima de isolados de Staphylococcus aureus resistentes a meticilina de um hospital de Porto Alegre
Authors: Riche, Cezar Vinícius Würdig
metadata.dc.contributor.advisor: Dias, Cícero Armídio Gomes
Issue Date: 2017
Keywords: Staphylococcus aureus Resistente à Meticilina
MRSA
Vancomicina
Resistência Antimicrobiana
PFGE
[en] MIC creep
[en] Methicillin-Resistant Staphylococcus aureus
[en] Vancomycin
[en] Anti-Infective Agents
Abstract: O Staphylococcus aureus resistente a meticilina (MRSA) é um importante patógeno humano e a bacteremia causada por este agente é uma condição comum que apresenta elevada mortalidade. A vancomicina tem sido a droga de escolha para tratamento dessas infecções nos últimos 50 anos. Apesar disso a resistência a este antimicrobianos não é comum. O aparecimento de isolados com elevada concentração inibitória mínima (CIM) para vancomicina (CIM ≥ 1,5 mg/L) tem sido relatado em diferentes centros médico no mundo, este é um fato preocupante pois pode colocar em falha o tratamento destas infecções – este fenômeno tem sido chamado de “vancomycin MIC creep”. O objetivo deste trabalho é determinar a existência de “MIC creep” para vancomicina, bem como sua correlação com o consumo de vancomicina, em isolados de hemoculturas de pacientes internados no Hospital Nossa Senhora da Conceição, Porto Alegre, RS. O período do estudo foi de junho de 2012 a fevereiro de 2016. Foram mensurados o consumo de vancomicina, em dose diária definida (DDD), a ocupação hospitalar por 100 pacientes-dia e a CIM de vancomicina dos isolados. Foram realizados comparação das proporções, análise de variância (ANOVA) e de correlação (coeficiente de Pearson). A caracterização dos isolados de MRSA foi através da identificação do gene mecA, testes de susceptibilidade a antimicrobianos, determinação da presença do gene lukS-lukF e tipagem do elemento SCCmec. A verificação de clonalidade foi feita por eletroforese em campo pulsado (PFGE). Os resultados evidenciaram aumento estatisticamente significativo da moda, de 1,0 a 2,0 mg/L (p=0,003) e da média geométrica, variando de 0,791 até 1,966 mg/L (p=0,0003), da CIM para vancomicina nos isolados. Também foi evidenciado o aumento da proporção de isolados de MRSA com CIM para vancomicina > 1,0 mg/L, de 6,5% para 100% (p=0,001). Estes dados sugerem a existência do fenômeno de “MIC creep” para vancomicina nos isolados de MRSA, não havendo correlação com o consumo de vancomicina (r=0,524; p=0,128). Esse fato sugere que esta condição não foi influenciada pela emergência de resistência pelo consumo do antimicrobiano. Perfis de resistência a mais de um antimicrobiano foram observados em dos 51,8% dos isolados. Não foi observada resistência para linezolida, ceftarolina e vancomicina – apesar de muitos isolados apresentarem CIM ≥ 1,5 mg/L para vancomicina. Através da caracterização dos isolados foi V possível identificar o SCCmec tipo IV como o mais frequente (77,7%), estando presentes os subtipos IVa e IVc. Também evidenciada elevada presença do gene lukS-lukF entre isolados (62,9%). O estudo por PFGE pode evidenciar a presença de cinco complexos clonais entre os isolados bacterianos. Também pode-se avaliar a ausência do Brazilian endemic clone (BEC), uma linhagem antes circulante, mas não mais evidenciada. Estes achados não podem confirmar a existência de disseminação clonal de MRSA no HNSC e uma possível associação com o “MIC creep” para vancomicina, no entanto sugerem a existência de novas linhagens de MRSA que as previamente descritas em Porto Alegre.
metadata.dc.description.abstract-en: Methicillin-resistant Staphylococcus aureus (MRSA) is a major human pathogen. Bloodstream infections are a common condition among MRSA clinical syndromes and usually presents with high mortality. Vancomycin has been the cornerstone of therapy in MRSA infections. Besides being used for more than 50 years, resistance is uncommon. Worldwide reports have documented an increase in minimum inhibitory concentration (MIC) for vancomycin – this phenomenon has been referred as vancomycin “MIC creep”. It is a concerning situation because elevations in vancomycin MIC values may be associated with increased treatment failure. The study aimed to assess the existence of vancomycin MIC creep among blood cultures isolates from patients admitted at Hospital Nossa Senhora da Conceição, and to determine whether a correlation exists between vancomycin consumption. The analyzed period was from June 2012 to February 2016. Vancomycin consumption was expressed in defined daily doses (DDD) per 100 patient-days and vancomycin MIC from isolates were evaluated. Comparison of proportions, analysis of variance (ANOVA) and Person correlation coefficient analysis were performed. MRSA isolates characterization was performed through antimicrobial susceptibility tests, genes mecA and lukS-lukF detection and SCCmec typing. The analysis if chromosomal DNA similarity of the isolates was performed by pulsed-field gel electrophoresis (PFGE). The results evidenced increases in vancomycin geometrical mean from 0.791 to 1.966 mg/L (p=0.0003) and modal MIC from 1.0 to 2.0 mg/L (p=0.003). Proportion of isolates with vancomycin MIC above 1 mg/L increased as well, from 6.5% to 100% (p=0.001). This study suggests the presence of vancomycin “MIC creep” phenomenon among this isolates, and absence of correlation with vancomycin consumption (r=0.524; p=0.128). These finding suggests that this condition was not influenced by emergency of resistance by antimicrobial consumption. Resistance profiles to more than one antimicrobial were observed among 51.8% of the isolates. No resistance was detected to linezolid, ceftaroline and vancomycin – although many isolates presented with vancomycin MIC ≥ 1.5 mg/L. Through the molecular characterization was possible to identify SCCmec type IV as the most frequent (77.7%), with subtypes IVa and IVc being detected. There was also a high frequency of gene lukS-lukF (62.9%). The PFGE evidenced the presence of five VII clonal clusters among the isolates. It was also possible to evaluate the absence of the Brazilian endemic clone (BEC), a previously circulating strain but no longer evidenced. These findings can not confirm the existence of clonal dissemination of MRSA in HNSC and a possible correlation with the vancomycin “MIC creep”. However they suggest the existence of new MRSA strains, other than the previously described in Porto Alegre.
Description: Dissertação (Mestrado)-Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde, Fundação Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre.
metadata.dc.rights: Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional
metadata.dc.relation.requires: Adobe Reader
metadata.dc.date.date-insert: 2018-05-21
metadata.dc.type: Dissertação
Appears in Collections:PPGCS - Dissertações



Creative Commons
This item is licensed under a Creative Commons License