Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufcspa.edu.br/jspui/handle/123456789/521
Files in This Item:
File Description SizeFormat 
[DISSERTAÇÃO] Pozzer, Carmen EulaliaTexto integral3,47 MBAdobe PDFView/Open
Title: Desinfecção térmica de produtos para saúde e sua preservação em sistema de barreira
Authors: Pozzer, Carmen Eulalia
metadata.dc.contributor.advisor: Caregnato, Rita Catalina Aquino
metadata.dc.contributor.advisor-co: Millão, Luzia Fernandes
Issue Date: 2017
Keywords: Desinfecção
Embalagem de Produtos
Enfermagem
[en] Disinfection
[en] Product Packaging
[en] Nursing
Abstract: Introdução: O controle das Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde e sua prevenção dependem de múltiplas ações, entre elas o processamento correto de Produtos Para Saúde (PPS). Objetivo Geral: Avaliar o tempo de preservação da desinfecção de PPS semicríticos utilizados na assistência respiratória submetida à desinfecção térmica com parâmetros físicos (tempo e temperatura) controlados, embalados em Sistema de Barreira (SB) e armazenados no Centro de Material e Esterilização (CME). Método: Estudo experimental para a validação da termodesinfecção de PPS semicríticos utilizados na assistência respiratória e sua preservação. O quantitativo das amostras foi de 272 fragmentos (3x4 cm de diâmetro) de PPS semicríticos de assistência ventilatória inicialmente processados e esterilizados em baixa temperatura por peróxido de hidrogênio. Após, as amostras foram enviadas ao laboratório de microbiologia e inoculadas com a solução de simulador de sujidade, Artificial Test Soil (ATS), Pseudomonas aeruginosa ATCC 27853 e solução salina 0,9%, aguardando-se seis horas para secagem e após retornando ao CME para o processamento de desinfecção térmica a 93°C por 10 minutos. Após termodesinfecção, os PPS secos foram embalados em SB próprio para produtos desinfetados, realizado a termosselagem das embalagens e, posteriormente, armazenadas no CME em condições controladas de temperatura e umidade. Do total das amostras, 12 foram utilizadas para avaliação da carga bacteriana dos fragmentos contaminados artificialmente (controles positivos); 120 para leitura imediata; e 140 ao longo dos 70 dias. As amostras foram encaminhadas ao laboratório para análise, tendo sido realizadas culturas de 260 fragmentos de PPS no período de 10 semanas. A semeadura das amostras foi realizada em água peptonada em ágar PCA (Plate Count Agar). As placas foram incubadas a 35-36ºC, por 24 e 48 horas. Ao final de cada uma das 10 semanas subsequentes ao armazenamento foram realizadas 14 culturas. Resultados: Em diferentes momentos do experimento foram realizados em 41 amostras (15%) testes de limpeza, denominados ATP Complete®, obtendo-se resultados satisfatórios, atendendo aos critérios para aprovação da limpeza, que preconizam o valor entre 0-45 RLU. Nas amostras testadas, as medidas de RLU encontradas foram inferiores ao número máximo considerado aceitável: 35 apresentaram zero RLU; cinco tiveram valor um RLU; e uma com valor de três RLU. Nos testes laboratoriais realizados no Laboratório de Microbiologia para a recuperação e enumeração dos microrganismos de referência viável, realizando-se culturas quantitativas pelo método microbiológico de verificação de carga microbiana das amostras (bioburden), todas as amostras analisadas tiveram Ausência de Crescimento Bacteriano (ACB). Após o processo de desinfecção térmica e armazenamento por 70 dias não ocorreu nenhum crescimento bacteriano, indicando segurança no reuso dos produtos semicríticos processados nas condições controladas. Conclusão: Ao avaliar o tempo de preservação da desinfecção de PPS semicríticos utilizados na assistência respiratória, validou-se a desinfecção térmica com parâmetros físicos (tempo e temperatura) controlados, embalados em SB próprio e armazenados no CME, evidenciando que estes permaneceram seguros para sua utilização até 70 dias após o processamento. Este estudo quebrou o paradigma existente no qual os PPS desinfetados devem ser imediatamente usados.
metadata.dc.description.abstract-en: Introduction: The control of healthcare associated infections and their prevention depend on multiple actions, the correct processing of Healthcare Devices and Equipment (HDE) items among them. General purpose: Evaluating the time for the preservation of the disinfection of semi-critical HDE items used in respiratory assistance undergoing thermal disinfection with controlled physical parameters (time and temperature), packed in a barrier system and stored in a Material and Sterilization Center (MSC). Method: Experimental study to validate the thermal disinfection of semi-critical HDE items used in respiratory assistance and their preservation. The amount of 272 fragments (3 cm long x 4 cm wide) of semi-critical HDE items used in respiratory assistance initially processed and sterilized in low temperature by means of hydrogen peroxide compose the sample. Later, the sample was sent to a microbiology laboratory and inoculated with an Artificial Test Soil (ATS) solution, Pseudomonas aeruginosa ATCC 27853, and saline solution at 0.9%. They were set aside for six hours for drying and then the fragments were sent back to the MSC for the processing of thermal disinfection at 93°C for 10 minutes. After thermal disinfection, the dried HDE items were packed in a barrier system deemed adequate for disinfected products, the packaged were heat sealed and stored in the MSC in controlled conditions of temperature and moisture. Of all the samples, 12 were used for the evaluation of the bacterial load of the artificially contaminated fragments (positive control), 120 had an immediate reading, and 140 had readings throughout 70 days. The fragments were sent to the laboratory for analysis, 260 fragments of HDE items in total having their collection carried out in 10 weeks. Sample seeding was carried out in Peptone Water in Plate Count Agar (PCA). The plates were incubated at 35 to 36ºC, for 24 and 48 hours. At the end of each of the following 10 storage weeks, 14 collections were taken. Results: In different moments of the experiment, cleaning tests, called ATP Complete®, were carried out in 41 fragments (15%). Satisfying results were attained, reaching the approval criteria for cleanliness, which foresee a value between 0 and 45 RLUs. In the fragments tested, RLU measurements were below the maximum acceptable value: 35 fragments presented zero RLUs, five presented one RLU, and one presented three RLUs. In the laboratory tests carried out in the Microbiology Laboratory for the recovery and numbering of microorganisms of viable reference, the quantitative collections being done by using the microbiologic method of verification of microbial load of the samples (bioburden), all the analyzed fragments showed Absence of Bacterial Growth (ABG). After the process of thermal disinfection and storage for 70 days, there was no bacterial growth, which indicates safety in the re-usage of semi-critical products processed in controlled conditions. Conclusion: On evaluating the time for the preservation of the disinfection of semi-critical HDE items used in respiratory assistance, it was possible to validate thermal disinfection with controlled physical parameters (time and temperature), packed in a barrier system and stored in an MSC, by evidencing that these HDE items remained safe to be used up to 70 days after being processed. This study contests the existing paradigm, which says that disinfected HDE items must be used immediately and resulted in the production of an educational video aimed at diffusion.
Description: Dissertação (Mestrado)-Programa de Pós-Graduação em Ensino na Saúde, Fundação Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre.
metadata.dc.rights: Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional
metadata.dc.relation.requires: Adobe Reader
metadata.dc.date.date-insert: 2017-09-11
metadata.dc.type: Dissertação
Appears in Collections:PPGENSAU - Dissertações



Creative Commons
This item is licensed under a Creative Commons License