Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufcspa.edu.br/jspui/handle/123456789/417
Files in This Item:
File Description SizeFormat 
[TESE] Falci, Diego RodriguesTexto integral3,58 MBAdobe PDFView/Open
Title: Toxicidade de anfotericina B em diferentes formulações
Authors: Falci, Diego Rodrigues
metadata.dc.contributor.advisor: Pasqualotto, Alessandro Comarú
Issue Date: 2015
Keywords: Anfotericina B
Lesão Renal Aguda
Anemia
Toxicidade
Micoses
[en] Amphotericin B
[en] Acute Kidney Injury
[en] Toxicity
[en] Mycoses
Abstract: Introdução: O tratamento de infecções fúngicas com anfotericina B (AmB) está associado a efeitos adversos importantes, como nefrotoxicidade e toxicidade hematológica. Formulações lipídicas de AmB estão associadas a um risco menor de nefrotoxicidade. Há controvérsia sobre diferenças entre as duas formulações lipídicas de AmB disponíveis. Objetivos: Avaliar a incidência de nefrotoxicidade, toxicidade hematológica e impacto clínico da ocorrência destes eventos em tratamentos com AmB nas diferentes formulações: anfotericina B deoxicolato (d-AmB), anfotericina lipossomal (L-AmB) e anfotericina B complexo lipídico (ABLC). Material e Métodos: Estudo de coorte histórica (retrospectiva), realizado na Santa Casa de Porto Alegre. Foram incluídos pacientes com uso de alguma formulação lipídica de AmB entre 2003 e 2012, mais pacientes que utilizaram d-AmB, na razão de 3:1. Nefrotoxicidade foi determinada com o critério RIFLE modificado. Toxicidade hematológica foi determinada através dos critérios do CTCAE adaptados. Modelos de regressão logística foram elaborados para a avaliação de preditores de mortalidade, nefrotoxicidade e toxicidade hematológica. Resultados: Foram incluídos 497 pacientes. Entre 431 pacientes acima de 12 anos (não-pediátricos), 236 utilizaram d-AmB, 105 L-AmB e 90 ABLC. A frequência de nefrotoxicidade grave foi de 11,5%, 2,4% e 7,2% para d-AmB, LAmB e ABLC, respectivamente (p=0,046). Uso de L-AmB foi demonstrado como um fator protetor para nefrotoxicidade grave (OR 0,18;IC95%:0,03-0,64) como também para mortalidade (OR 0,56;IC95%:0,32-0,99). Entre os pacientes pediátricos, nefrotoxicidade grave ocorreu em 7,5% de pacientes com d-AmB. Na análise de toxicidade hematológica, o uso de L-AmB apresentou uma associação limítrofe com risco reduzido para anemia grave (OR 0,61;IC95%:0,32-1,11). Leucopenia grave foi associada com o uso de ABLC (OR 2,58;IC95%:1,05-6,21). Conclusões: L-AmB foi associada com melhores desfechos do que outras formulações, incluindo nefrotoxicidade grave e mortalidade. Entre pacientes pediátricos foi observada uma frequência de nefrotoxicidade similar aos adultos. Toxicidade hematológica significativa foi demonstrada, com perfil de segurança mais favorável para L-AmB.
Description: Tese (Doutorado)-Programa de Pós-Graduação em Patologia, Fundação Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre.
metadata.dc.rights: Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional
metadata.dc.relation.requires: Adobe Reader
metadata.dc.date.date-insert: 2016-10-25
metadata.dc.type: Tese
Appears in Collections:PPGPAT - Teses



Creative Commons
This item is licensed under a Creative Commons License