Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufcspa.edu.br/jspui/handle/123456789/1062
Files in This Item:
File Description SizeFormat 
[DISSERTAÇÃO] Souto, Viviane de FreitasTexto parcial1,03 MBAdobe PDFView/Open
Title: Aspectos emocionais associados à qualidade de vida de pacientes adultos após a alta da unidade de terapia intensiva
Authors: Souto, Viviane de Freitas
metadata.dc.contributor.advisor: Levandowski, Daniela Centenaro
metadata.dc.contributor.advisor-co: Teixeira, Cassiano
Issue Date: 2018
Keywords: Qualidade de Vida
Unidades de Terapia Intensiva
Ansiedade
Depressão
Transtornos de Estresse Pós-Traumáticos
Apoio Social
[en] Quality of Life
[en] Intensive Care Units
[en] Anxiety
[en] Depression
[en] Stress Disorders, Post-Traumatic
[en] Social Support
Abstract: Pacientes hospitalizados críticos necessitam de cuidados intensivos e serviços constantes e especializados, devido à gravidade de sua condição física. Com frequência estes pacientes apresentam repercussões psicológicas e piora na qualidade de vida (QV). Nesse estudo, derivado de um projeto de pesquisa maior, investigou-se aspectos emocionais desses pacientes após a alta da UTI, tendo como foco a QV. No Estudo 1, multicêntrico, de coorte prospectiva, foram avaliados, em 377 pacientes adultos, até 12 meses após a alta, aspectos como ansiedade, depressão, estresse pós-traumático (TEPT) e QV, bem como eventuais associações entre esses aspectos e dados clínicos e sociodemográficos, particularmente a idade em que a internação ocorreu. Foram realizadas análises estatísticas descritivas e inferenciais. Os resultados indicaram depressão, ansiedade e TEPT como determinantes para a piora da QV, mas não a idade em que ocorreu a internação. Ficou evidente a importância da assistência psicológica durante e após a internação na UTI, para promover uma melhor QV desses pacientes. Já no Estudo 2, qualitativo, de cunho exploratório-descritivo, foram investigados, em 9 pacientes adultos, após três meses da alta, os aspectos emocionais que, na visão dos pacientes, facilitaram e dificultaram a internação e a QV após a internação na UTI, a partir de uma narrativa produzida sobre sua vida antes, durante e após a internação. As narrativas foram analisadas por meio de análise de conteúdo de Bardin. Dentre os aspectos que facilitaram a internação, os participantes mencionaram o apoio da equipe de saúde, os cuidados e os recursos tecnológicos disponíveis, bem como o apoio da família, na internação e após a alta. Também foi citado como facilitador a capacidade de adaptação dos pacientes à situação de doença e hospitalização. Entre os aspectos dificultadores, destacaram-se as mudanças de rotina e ambiente, a perda de autonomia, os medos e desconfortos diante da doença e dos procedimentos e exames médicos e, ainda, a surpresa diante da internação, o que despertou fantasias e incertezas. De modo geral, a Dissertação aponta que, na vida adulta, independentemente da idade, a experiência de internação na UTI é impactante, por ser marcada pelo desamparo e por urgências psicológicas que podem levar ao surgimento de ansiedade, depressão e TEPT e acarretar uma piora na QV dos indivíduos após a alta, considerando-se as repercussões sobre a sua autonomia. Percebe-se a importância da atenção das equipes de saúde sobre os aspectos emocionais facilitadores e dificultadores da internação em UTI para a promoção de uma melhor QV dos pacientes durante a hospitalização e após a alta.
metadata.dc.description.abstract-en: Hospitalized critical patients need intensive care and constant and specialized services, due to the severity of their physical condition. These patients often present psychological repercussions and worsening in their quality of life (QoL). In this study, derived from a larger research project, we investigated some emotional aspects of these patients after discharge from the Intensive Care Unit (ICU), focusing on QoL. In a multicenter prospective cohort study (Study 1), 377 adult patients, up to 12 months after discharge, were evaluated about anxiety, depression, posttraumatic stress (PTSD) and QoL, as well as possible associations between these aspects and clinical and sociodemographic data, particularly the age of hospitalization, were verified. Descriptive and inferential statistical analyzes were performed. Results indicated depression, anxiety and PTSD as determinants of worsening of QoL, but not the age of hospitalization. This study demonstrates the importance of psychological assistance during and after discharge from the ICU, to promote better QoL of these patients. In Study 2, with a qualitative exploratory-descriptive design, the emotional aspects that, in the patients' view, facilitated and made difficult the hospitalization and the QoL after admission to the ICU were investigated in 9 adult patients, three months after discharge, from a narrative produced about his life before, during and after hospitalization. The narratives were analyzed by content analysis of Bardin. Among the aspects that facilitated the hospitalization, the participants mentioned the support provided by health team, the care and the technological resources available, as well as family support during hospitalization and after discharge. Patients' ability to adapt to illness and hospitalization was also cited as a facilitator. Among the aspects that made hospitalization difficult, the participants mentioned changes in routine and environment, loss of autonomy, fears and discomforts in the face of illness and medical procedures and examinations, as well as surprise at hospitalization, which aroused fantasies and uncertainties. In general, the Dissertation points out that, in adult life, regardless of age, the experience of ICU hospitalization is shocking, because it is marked by helplessness and by psychological urgencies that can lead to anxiety, depression and PTSD and to worsening the QoL of individuals after discharge, considering the repercussions on their autonomy. So, the importance of the health team’s attention on the facilitating and difficult emotional aspects of ICU hospitalization is perceived, in order to promote a better QoL of patients during hospitalization and after discharge.
Description: Dissertação (Mestrado)-Programa de Pós-Graduação em Psicologia e Saúde, Fundação Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre.
metadata.dc.rights: Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional
metadata.dc.relation.requires: Adobe Reader
metadata.dc.date.date-insert: 2019-11-11
metadata.dc.type: Dissertação
Appears in Collections:PPGPsico - Dissertações



Creative Commons
This item is licensed under a Creative Commons License